Drones otimizam resultados em usinas de cana

Por Lucas Bastos, engenheiro mecânico pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Chief Operating Officer Horus Aeronaves

A agricultura está cada dia mais adepta à tecnologia digital, pois efetivamente podem melhorar a produtividade, aumentar a lucratividade e diminuir os desperdícios, ou seja, gerir a propriedade.

Com a realização de pesquisas e projetos junto aos produtores rurais, é possível desenvolver soluções específicas para cada cultivo. Se para a produção de arroz é relevante realizar o entaipamento a partir das curvas de nível, para a cana-de-açúcar é essencial identificar as falhas lineares e, assim, poder tomar decisões assertivas em um curto período de tempo.

Em termos de inovação tecnológica, os VANTs, popularmente conhecidos como drones, são a tecnologia do momento. O setor sucroalcooleiro foi um dos primeiros a adotá-los para monitorar canaviais e aplicar soluções para plantas com o desenvolvimento além do esperado.

O uso desses equipamentos em campo vai além do monitoramento: os produtos topográficos obtidos na coleta de imagens facilitam a implementação de novas áreas de cultivo e reformas de talhões, por exemplo.

Ao sobrevoar uma área, o VANT registra imagens sequenciais da região de interesse, com câmeras RGB ou multiespectrais. Após o processamento das fotografias, pode-se aplicar diversos índices de vegetação, capazes de orientar os produtores rurais a tomar decisões acerca da saúde da vegetação, qualidade do solo, nutrição, pragas etc.

Além disso, com a tecnologia de precisão geográfica RTK/PPK é possível gerar arquivos de shape files para o piloto automático dos tratores e a aplicação de algoritmos inteligentes de análises de imagem, permitindo a identificação automatizada de linhas e falhas de plantio.

Estima-se que agilidade e a precisão na coleta de dados dos VANTs contribui para que as usinas de cana possam aprimorar a qualidade e a produtividade de sua matéria-prima em até 20%.

Com o uso da tecnologia dos VANTs na agricultura, o produtor tem maior autonomia, praticidade, segurança, economia, tomada de decisões estratégicas e assertivas em seu trabalho.


ver mais artigos

Por Lucas Bastos, engenheiro mecânico pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Chief Operating Officer Horus Aeronaves