NOTÍCIAS

Argentina aprova primeira soja transgênica tolerante à seca do mundo

  • 07/10/2015 |
  • Jaqueline Frederes
A Argentina saiu na frente na corrida tecnológica global para o desenvolvimento e aprovação da primeira soja transgênica tolerante à seca. O evento biotecnológico foi anunciado nesta semana pela presidente Cristina Kirchner, que também comunicou a aprovação de uma batata geneticamente modificada (GM) resistente ao vírus PVY.

Fruto de uma parceria público-privada, a soja GM foi conseguida por meio da introdução de um fator de transcrição do girassol. A modificação genética da leguminosa permite que a planta se desenvolva mesmo em condições de carência de água. A pesquisadora da Universidade Nacional do Litoral, Raquel Chan, é a responsável pela identificação dos genes que expressam a tolerância ao estresse hídrico e a empresa nacional INDEAR, do grupo Bioceres, introduziu o gene na soja.

Segundo o anúncio da presidente Cristina Kirchner, com essas aprovações, a Argentina passa a integrar um seleto grupo de países, entre os quais está o Brasil, que desenvolve e aprova localmente inovações em biotecnologia agrícola. “Estes não são apenas eventos tecnológicos, mas também produtos com grande impacto econômico e social que representam uma alternativa na produção global de alimentos”, disse Kirchner.

Para a diretora-executiva do CIB, Adriana Brondani, a aprovação dos novos transgênicos está alinhada com o desafio global de alimentar uma população crescente de maneira sustentável. “Uma soja tolerante à seca permite cultivar essa leguminosa em regiões com baixa disponibilidade de água, o que certamente contribui para diminuir a pressão da agricultura sobre áreas protegidas e para o aumento na produção de alimentos”, afirma Brondani.

A batata transgênica apresenta resistência ao vírus PVY (Potato Virus Y), responsável por uma doença que pode causar perdas de até 80% do cultivo. A tecnologia foi desenvolvida pelo grupo dos cientistas Fernando Bravo Almonacid e Alejandro Mentaberry, do Instituto de Engenharia Genética e Biotecnologia (INGEBI). A empresa que vai comercializar as sementes transgênicas é a Tecnoplant, subsidiária do grupo Sidus.

Na Argentina, o vírus é endêmico em todas as regiões produtoras de batata do País e o desenvolvimento da planta GM é exemplo de como a biotecnologia pode contribuir para encontrar soluções para os problemas locais. “No Brasil, o caso do feijão transgênico da Embrapa é análogo, já que é resistente a um vírus que ataca os vegetais e impede que a cultura do feijão seja viável em diversas regiões do País”, compara Adriana Brondani. ver mais notícias