NOTÍCIAS

Chegou a hora do controle à Vespa-da-Galha

  • 15/10/2015 |
  • Carlos Nascimento Jr.
Nos meses de estiagem, não é só a falta de água que pode prejudicar o plantio do eucalipto. De abril a outubro, período de menor precipitação de chuvas, há também a maior incidência dos ataques da vespa-da-galha, praga que danifica plantações da árvore.

O inseto ataca as folhas e deposita ovos, o que determina a formação de galhas (tumores) nas nervuras centrais, caules e ramos finos. Esses danos podem comprometer o crescimento de mudas e árvores, assim como a produtividade de clones suscetíveis – plantas de eucalipto menos resistentes a esta praga ou mais atrativas à praga.

No início da primavera até o mês de fevereiro vem o período em que os viveiros normalmente produzem o maior número de mudas para vender, aproveitando a volta do tempo chuvoso. Então, nesses meses, é fundamental que o produtor faça o controle preventivo das suas mudas de eucalipto.

De acordo com o Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais, a vespa-da-galha (Leptocybe invasa) é uma praga exótica, originária da Austrália. O adulto é uma minúscula vespa de coloração marrom escuro brilhante e mede 1,2 mm de comprimento. João Galon, gerente de contas-chave da unidade de Saúde Ambiental da Bayer CropScience, explica que o inseto ataca as plantas de eucalipto desde o viveiro de mudas até a floresta adulta. “Quando presente na fase de viveiro o dano pode chegar a 100% das mudas, sendo necessário o descarte e incineração do material. Se não houver o manejo e tratamento químico pode ocorrer a disseminação de mudas contaminadas para outras regiões”, conta Galon. Além disso, o especialista esclarece que, em campo, os danos ainda são visuais, como formação de tumores causando deformação no caule das folhas, e nos ramos finos causam desfolha e secamento de ponteiro.

Atualmente, a praga é encontrada nos plantios comerciais nos estados da Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, São Paulo e Tocantins; sendo que as maiores ocorrências são nos estados do Maranhão, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Tocantins.

Solução para os viveiros
Para apoiar o produtor de eucalipto no manejo de suas plantações, a Bayer CropScience desenvolveu o produto Evidence 700 WG. De acordo com Galon, a solução deve ser utilizada em viveiro florestal. Além do tratamento químico, as ações principais são o monitoramento e prevenção, realizado com armadilha adesiva. Em florestas adultas o monitoramento deve ser realizado o ano todo, principalmente nos meses com temperaturas mais elevadas. Em viveiro, recomenda-se um levantamento minucioso das mudas e instalação das armadilhas adesivas, com avaliação semanal o ano inteiro. ver mais notícias