NOTÍCIAS

Chuvas continuarão irregulares em Mato Grosso

  • 28/10/2015 |
  • Aprosoja
Os produtores rurais de Mato Grosso ainda estão aguardando a regularização das chuvas para incrementar a semeadura da soja na safra 2015/16. Por enquanto, apenas 19,6% da área de 9,2 milhões de hectares foram semeados em Mato Grosso, segundo o último boletim do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). E as chuvas devem continuar irregulares pelos próximos dias.

De acordo com Marco Antônio Soares, agrometeorologista da Somar Meteorologia, a previsão é de chuvas irregulares com pancadas em todo o Estado. “Ainda na próxima semana haverá precipitação, mas daqui a 15 dias as chuvas cessarão por um período”, explica. O especialista diz que a primavera será neste padrão de chuvas irregulares e que a chuva “boa” só ocorrerá em fevereiro.

Durante a primeira semana do Circuito Tecnológico Etapa Soja, as equipes da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) verificaram pouco plantio e até replantios em algumas áreas. Para o diretor técnico da associação, Nery Ribas, com 80% da área sem plantar é momento de apreensão. “Os insumos estão na fazenda, há a preocupação com as janelas de plantio da segunda safra, como milho e algodão. O plantio ideal de soja é até final de outubro, para colher até final de fevereiro e iniciar a segunda safra”, explica.

Com o sol brilhando forte e altas temperaturas, juntamente com a falta de umidade, há relatos de que em algumas lavouras semeadas é possível verificar que, logo após a emergência, algumas plantas morreram ou foram atacadas por pragas. Ribas lembra ainda que o custo de produção está bastante alto nessa safra. Por isso, o produtor tende a ter um aumento do custo de produção com a perda de seus insumos e por ter que realizar replantios, por exemplos.

“Agora, o produtor precisa ficar atento às previsões do tempo e monitorar sua lavoura. O acompanhamento de sites especializados e a ajuda de um técnico são fundamentais para fazer o plantio na hora mais acertada”, alerta. ver mais notícias