NOTÍCIAS

Colheita de café pode ocorrer mais cedo devido ao clima

Probabilidade de ocorrência de chuvas dentro da média do período na faixa verde; probabilidade de ocorrência de chuvas pouco acima da média na faixa em amarelo; e maior probabilidade de ocorrência de chuvas acima da média na faixa alaranjada no mês de fev

No mês de dezembro de 2015 foram observadas condições de maior calor na região Sudeste e de maior seca mais ao Norte do Brasil, o que tem sido observado nos últimos eventos de El Niño. Em dezembro a temperatura da superfície do Pacífico equatorial chegou a valores positivos de 3ºC acima da média, o que foi bem próximo dos valores alcançados em novembro de 1997 e em dezembro de 1982 - respectivamente 3,6 e 3,3ºC. Esses valores da temperatura do oceano associado ao comportamento anômalo de outros elementos da atmosfera indicam que o fenômeno El Niño chegou na sua fase mais madura entre os meses de novembro e dezembro de 2015, sendo que nos próximos meses, entre o outono e o inverno da América do Sul, o fenômeno El Niño deverá se enfraquecer fazendo com que o Pacífico equatorial volte às condições neutras do fenômeno ENOS (El Niño Oscilação Sul).

Chuvas atuais

As condições meteorológicas em dezembro passado foram caracterizadas por chuvas esporádicas e muito calor na região Nordeste, pouco contribuindo para as lavouras de algodão e soja, enquanto maiores volumes de chuva chegaram a comprometer algumas culturas de verão da região Sul, mas favoreceram as culturas de verão da região Sudeste do Brasil que poucos meses atrás enfrentou forte período de ausência de chuvas. Nos últimos dias, já em janeiro, as chuvas aumentaram entre o Mato Grosso e a Bahia, amenizando o calor intenso e favorecendo as lavouras de soja, milho e algodão nas regiões central e Nordeste do país. Nesses últimos dias, as chuvas, antes abundantes, também diminuíram no Sul do Brasil.

Apesar de longos períodos sem chuvas na região Sudeste em 2015, as últimas chuvas que tem favorecido o cultivo de cana e do café deverão continuar até o final desse mês.

Chuvas em fevereiro

Embora o fenômeno El Niño ainda permaneça nos próximos meses, o que normalmente significa volumes de chuva acima da média na região Sul do Brasil, a chuva em fevereiro poderá ficar pouco abaixo da média do mês no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e no leste do Paraná. O volume de chuvas também deverá ficar abaixo da média para a porção oriental do estado do Tocantins, sudoeste do Piauí, no sul do Ceará e no sertão de Pernambuco. Em Minas Gerais toda a região mais ao sul do estado poderá apresentar volumes de chuva pouco acima da média mensal enquanto que a região mais ao norte deverá apresentar volumes dentro da média do período.

Temperatura em fevereiro

Com relação à temperatura, o mês de fevereiro deverá ser quente em todo o Brasil, sendo que no Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul (com exceção da mesorregião do sudeste e do sudoeste rio grandense), e São Paulo (com exceção da região de Campinas e de Ribeirão Preto) o calor deverá ser menor do que nas demais regiões brasileiras.

Em Minas Gerais o calor deverá continuar, sendo que nas regiões do Vale do Rio Doce, Mucuri e Jequitinhonha o calor deverá ser pouco abaixo quando comparado com as demais regiões do estado.

O Café

As chuvas das últimas semanas, que têm contribuído para a granação e para a maior uniformidade dos chumbinhos nas plantas, decorrentes das diferentes floradas no ano de 2015, deverão continuar ao longo de janeiro. Maior atenção deve ser dada aos tratos culturais, pois o aparecimento de fungos são favorecidos diante das atuais condições climáticas. A pulverização, nos períodos de estiagem, e a adubação devem também ser observadas. As condições climáticas previstas para fevereiro, principalmente para Minas Gerais deverão favorecer o enchimento de grãos que em algumas regiões já tiveram início. Deve-se também estar atento, pois algumas regiões iniciarão a colheita mais cedo nesse ano de bienalidade positiva.

A análise e o prognóstico climático aqui apresentados foi elaborada com base na estatística e no histórico da ocorrência de fenômenos climáticos globais, principalmente daqueles atuantes na América do Sul. Foram consideradas ainda as informações disponibilizadas livremente pelo NOAA; Instituto Internacional de Pesquisas sobre Clima e Sociedade — IRI; Met Office Hadley Centre; Centro Europeu de Previsão de Tempo de Médio Prazo — ECMWF; Boletim Climático da Amazônia elaborado pela Divisão de Meteorologia (DIVMET) do Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM) e com base nos dados climáticos disponibilizados pelo INMET/CPTEC-INPE. Pelo fato do prognóstico climático fazer referência a fenômenos da natureza que apresentam características caóticas e são passíveis de mudanças drásticas, a EPAMIG e a Embrapa Café não se responsabilizam por qualquer dano e, ou, prejuízo que o usuário possa sofrer, ou vir a causar a terceiros, pelo uso indevido das informações contidas na presente matéria. Sendo de total responsabilidade do usuário (leitor) o uso das informações aqui disponibilizadas.

ver mais notícias