NOTÍCIAS

Produtores de Sorriso-MT recebem mais de meio milhão de reais em bônus por venda de soja certificada

  • 04/04/2016 |
  • Angélica Cortez

A recompensa financeira por produzir soja de forma sustentável chegou para nove produtores rurais de Sorriso-MT, a capital Nacional do Agronegócio. Depois de mostrarem que são comprometidos com o plantio sustentável da soja no mundo, os agricultores receberam, pela primeira vez, a bonificação pela venda de créditos negociados na plataforma RTRS, sigla em inglês para a Round Table on Responsible Soy.

O repasse dos créditos da soja certificada é um reconhecimento aos produtores que agora conseguem comprovar fora do país que produzem de forma sustentável. Os “créditos verdes” desta produção são uma espécie de moeda gerada a cada tonelada de soja produzida nestas propriedades. Esse crédito é, basicamente, comprado por empresas da Europa que precisam compensar seus impactos ambientais. Juntas, as nove fazendas de Sorriso, produziram cerca de 60 mil toneladas de soja certificada. Pelo sistema, cada tonelada certificada dá direito a um crédito que pode ser negociado na plataforma da RTRS.

A certificação visa uma produção ambientalmente correta, socialmente adequada e economicamente viável – o tripé da sustentabilidade. Em Sorriso, o processo de certificação das propriedades começou em novembro de 2013 por meio do projeto Gente que Produz e Preserva do Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso), com apoio da WWF Brasil, Solidariedad, IDH e Bel.

Para o presidente do CAT, Darcy Getúlio Ferrarin, o pagamento dos bônus é um momento histórico para o Clube Amigos da Terra. “Esse repasse é muito importante, mas a certificação vai muito além do benefício financeiro. Os produtores que estão no projeto estão dispostos a organizar a propriedade, se adequar a legislação e, principalmente, preservar o meio ambiente”, afirmou o presidente.

Durante a cerimônia de pagamento dos bônus, os produtores rurais receberam um cheque simbólico no valor total do pagamento, R$ 527.383,00. Depois cada um recebeu seu próprio cheque com o valor correspondente ao tamanho da área de cada propriedade. A certificação tem validade de 5 anos e baseia-se no padrão RTRS de Produção de Soja Responsável e envolve aspectos sociais, ambientais e boas práticas agrícolas.

O trabalho continua para esses produtores que agora precisam cumprir o restante dos indicadores exigidos pelo padrão RTRS. Motivo mais que suficiente para que o produtor rural Pedro Bertuol, da fazenda São Marcos, invista o dinheiro do bônus em benfeitorias na propriedade. “Precisamos adequar o tanque do combustível e esse dinheiro vai ajudar muito nisso”, garante.

Cobrir os custos dos investimentos feitos até agora é o plano dos proprietários da fazenda Santana. Luis Fernando e Dudy Paiva tiveram custos com as adequações exigidas pelo padrão RTRS. “Nós acreditamos no projeto e está aí o reconhecimento. Esse dinheiro veio em boa hora e vai ajudar nos custos que já tivemos e nos ajustes que ainda temos que fazer. Quem sabe nos próximos anos poderemos usar o dinheiro de outra forma, uma viagem quem sabe?”, comenta Dudy.

As fazendas certificadas e que receberam a bonificação são: Jaborandi, São Felipe, Dakar, São Marcos, Santana, Videirense, Cella, Berrante de Ouro e Santa Maria da Amazônia (juntas totalizam 21.342 hectares). Recentemente, o CAT iniciou o processo de certificação em outras fazendas de Sorriso e região.

ver mais notícias