Agricultura: proibir ou educar?

Na esteira da desinformação e de embates políticos e ideológicos desconectados da realidade agrícola do país, o Brasil vem perdendo oportunidades de ocupar o lugar de destaque que merece no cenário mundial do agronegócio. Um dos motivos para que isso ocorra é a falta de entendimento do que é a agricultura moderna por parte da maioria da população.

Apesar de todos, sem exceção, serem dependentes da agricultura para os aspectos mais básicos da sobrevivência (pense num Brasil sem os alimentos, o vestuário e a energia produzida pelo campo), apenas uma minoria insignificante da população das grandes cidades entende de fato como funciona o agronegócio. Falta na educação básica da população uma visão realista do que é a agricultura de larga escala, aquela que de fato alimenta, veste e energiza a sociedade num país como o Brasil. Simplifico aqui como "educação básica" o período que vai do berçário ao diploma universitário. Corrigir este erro mais tarde não é fácil e nem sempre é efetivo.

A falta de cultura agrícola ajuda a disseminar mitos e bobagens sobre o tema nas mídias tradicionais e nas redes sociais. É constrangedor ver opiniões de "famosos" se posicionando contra ou a favor de práticas agrícolas sem ao menos entender o que elas representam do ponto de vista técnico, social ou econômico. E a nossa sociedade, tão dependente da agricultura, mas ao mesmo tempo tão ignorante de como ela funciona, acaba sendo massa de manobra fácil para que interesses nada agronômicos venham a politizar discussões que deveriam ser eminentemente técnicas. Basta ver o festival de besteiras que se transformou o embate entre os sistemas orgânico e convencional de produção agrícola. De maneira simples, não deveria haver um embate. O que precisamos, enquanto sociedade, é de sinergia.

Um exemplo que pode ser síntese desse processo é o engajamento da população urbana nas propostas de proibição de insumos, defensivos e de suas técnicas de aplicação. Tratam-se de ferramentas de trabalho desenvolvidas, testadas e aprovadas nas diferentes instâncias regulatórias, dentro de uma legislação rigorosa. Portanto, estes produtos e técnicas são seguros para a sociedade, desde que sejam usados da maneira correta (as boas práticas agrícolas). Um exemplo é o herbicida 2,4-D, uma das ferramentas mais utilizadas no controle de plantas daninhas no mundo e que, periodicamente, é alvo de propostas injustificáveis de proibição.

Tentando correr atrás do prejuízo, o agronegócio se mobiliza para cobrir as lacunas deixadas pelas políticas públicas que ignoram a importância da educação básica, da capacitação e do treinamento de mão de obra no setor agrícola. Nunca foram tão importantes e valorizados os serviços privados de extensão. Em todos os segmentos da agricultura as boas práticas assumiram lugar de destaque nestes programas de treinamento, buscando oferecer à sociedade uma visão real da agricultura que ajuda no crescimento e na sustentabilidade do país. Infelizmente, estas ações não são tão efetivas exatamente pela ignorância agrícola que assola boa parte da sociedade "urbana" no Brasil.

ver mais artigos

Por Ulisses R. Antuniassi, Professor Titular do Departamento de Engenharia Rural - FCA/UNESP - Botucatu/SP