Aplicação com microtubo

O sistema foi desenvolvido como uma alternativa para combinações específicas de produto/cultura/praga com perfeita precisão e segurança, melhor do que os sistemas convencionais de aplicação em faixa usando bicos de pulverização ou uso de inseticidas granulados. Em algumas situações, o sistema pode ser considerado como uma alternativa para o tratamento de sementes quando fungicidas, micro-nutrientes e inoculantes têm que ser aplicados simultaneamente.

O aplicador de microtubos usa tubos plásticos bastante finos de 0.75 a 2 mm de diâmetro interno, mede e aplica a solução do produto químico diretamente no sulco de plantio. Comprimentos específicos dos microtubos são selecionados para permitir o uso de baixos volumes de até 10 litros por ha em espaçamentos estreitos de 14 cm, como no caso do trigo. Em soja ou milho, com espaçamentos maiores de 50 cm, volumes mais baixos podem ser utilizados, dependendo da velocidade da semeadora.

Os tubos são fixados no depósito da semeadora e a calda do produto químico é bombeada usando-se uma pequena bomba de 12 volts equipada com um regulador de pressão. Dependendo da concentração do produto e da dose necessária, testes realizados confirmaram que o produto pode ser aplicado sem diluição, ou misturados a água, usando uma válvula misturadora, imediatamente antes de serem bombeados através dos microtubos.

O sistema já é amplamente utilizado na Austrália, Estados Unidos e na Europa Oriental e atualmente aperfeiçoado para uso em “ sistemas de circuito fechado”.

O que é o sistema

O sistema de microtubos é totalmente diferente dos métodos de aplicação de produtos líquidos nos quais a solução química não é pulverizada. O objetivo do sistema foi desenvolver um método prático de aplicação de baixos volumes (tão baixo como 10 litros/ha no trigo) sem usar os orifícios extremamente pequenos normalmente presentes na medição de líquidos. Estes sistemas convencionais causam freqüentes entupimentos dos bicos, especialmente quando a água não é bem filtrada. Por um processo de tentativa e de erro, descobrimos que o baixo volume necessário pode ser obtido através de uma seleção cuidadosa do comprimento e do diâmetro interno do microtubo.

Este sistema está sendo utilizado comercialmente na Austrália para a aplicação de inseticidas usando tubos plásticos bastante finos com 0.75 a 2 mm de diâmetro interno que mede e aplica a solução química diretamente no sulco de plantio. Com dosadores convencionais, seria necessário usar orifícios de 0.123 a 0.83 mm de diâmetro interno. Diâmetros assim pequenos são facilmente obstruídos por poeira ou partículas provenientes do tanque do pulverizador. Entretanto, com o sistema de microtubos, orifícios bem maiores podem ser usados e as doses baixas de aplicação são obtidas através de tubos bastante compridos utilizando pressões mais baixas para conseguir-se a dose desejada de aplicação. ( Fig. 1 - veja no final do texto como visualizar este artigo em PDF)

O sistema de microtubos foi inicialmente desenvolvido a partir de uma máquina chamada de Jectarow, produzido por Ag-Chem PTY Ltd, da Austrália, que usa microtubos para a aplicação de etileno, mas apresentou inúmeros problemas, principalmente relacionados com o tipo de produto aplicado.

Os microtubos são facilmente fixados nos depósitos de sementes das semeadoras em uma posição que permita o direcionamento do jato do produto químico diretamente dentro do sulco de plantio ao lado das sementes, durante a operação de plantio. O sistema também pode ser usado para aplicar com bastante precisão, produtos químicos como tratamento em faixa lateral na linha de plantio de culturas já emergidas.

Os componentes chave de um aplicador de microtubos são essencialmente os mesmos de um pulverizador convencional, requerendo os seguintes elementos:

• Tanque para o produto químico: Pode ser relativamente pequeno, uma vez que os volumes geralmente serão de no máximo 20 L/ha, podendo ser, entretanto, de até 4 L/ha, dependendo do espaçamento da cultura e da velocidade de deslocamento.

• Fonte de pressão: Pode ser uma bomba capaz de produzir pressões de 15 até 40 PSI com capacidade de bombear os volumes necessários para abastecer todas as linhas da semeadora.

• Regulador de pressão: Necessário para ajustar e manter a pressão constante.

• Conectores: Conectores de múltiplas saídas são necessários para inserir os microtubos, normalmente um para cada linha a ser plantada.

• Microtubos: Todos os microtubos devem ser cortados no mesmo comprimento, uma vez que o volume de aplicação é inversamente proporcional ao comprimento. Para minimizar riscos de entupimento, a extremidade dos tubos devem ser cortadas em ângulo, usando-se uma lâmina afiada. (Fig.2)

A calibragem (com água), usando um bomba de 12 volts, consiste dos seguintes passos:

• Determine a velocidade da semeadora em quilômetros por hora ou pelo número de segundos gastos para deslocar-se 100 metros.

• Usando a Fig. 3, buscar a vazão requerida que coincida com o espaçamento da cultura.

• Encha o tanque pela metade com água.

• Ligue a bomba e a válvula, ajustando a pressão para uma regulagem próxima do gráfico da Fig. 3.

• Colete a água de diferentes microtubos e determine a vazão por minuto de cada microtubo.

• Ajuste a pressão, se necessário, para conseguir a vasão desejada.

Quando aplicar o sistema

O método de aplicação de microtubos é indicado para as seguintes situações:

a- Para aplicação de qualquer produto agrícola no controle de insetos de solo, para aplicação de produtos sistêmicos fungicidas, e nutrientes onde absorção radicular é requerida.

b- Como uma alternativa à aplicação granular, particularmente sob condições de seca, onde o líquido pode dar resposta mais rápida.

c- Como uma alternativa ao tratamento de sementes quando condições inseguras podem estar envolvidas na manipulação da semente tratada ou quando diversos produtos precisam ser aplicados simultaneamente na operação de plantio.

Uma alternativa para o sistema de pulverização de faixas convencional. A característica do sistema de microtubos é de aplicar volumes muito baixos com grande precisão. Em condições de campo é comum conseguir-se cerca de 2 % de erro, porque os tubos aplicam doses idênticas quando corretamente instalados.

Para milho com 1 metro de espaçamento e velocidade de plantio de 8 km/h:

Volume por ha= 4.0 litros
Volume por minuto por microtubo= 3 ml
Diâmetro interno do microtubo= 1 mm
Comprimento do microtubo= 3 m
Pressão do microtubo= 27 PSI

Em resumo

Muitas são as vantagens do sistema de microtubos:

1. Permite a aplicação de baixos volumes com precisão.

2. Algumas formulações de produtos permitem que sejam aplicadas sem diluição, reduzindo o risco para o operador.

3. O volume por ha da aplicação é controlada principalmente pelo comprimento do microtubo, eliminando portanto os problemas relacionados com orifícios muito pequenos.

4. O custo de instalação é baixo, o que torna o sistema muito mais econômico do que um sistema de aplicação de grânulos.

Alan McCracken
Loveland Industries Inc. USA

* Este artigo foi publicado na edição número 06 da revista Cultivar Máquinas, de novembro/dezembro de 2001.

* Confira este artigo, com fotos e tabelas, em formato PDF. Basta clicar no link abaixo:

/arquivos/maquinas06_microtubo.pdf ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura