Cigarrinha do milho e a transmissão de doenças que afetam a produtividade

A Cigarrinha do Milho Dalbulus maidis vem sendo considerada como uma das principais pragas da cultura do Milho. Ela deixou de ser uma praga exclusiva de regiões produtoras de sementes e hoje está presente em praticamente todas as áreas onde se cultiva o cereal, tanto na 1ª Safra quanto na 2ª Safra de Milho no país. As perdas ocasionadas pelos enfezamentos e viroses transmitidos  pela cigarinha podem chegar a mais de 90%, pricipalmente quando se utiliza um híbrido sensível ao complexo de enfezamento.

Cigarrinha do milho

 A Cigarrinha, além de causar lesões como inseto sugador, ela é responsável por danos indiretos que geram perdas mais expressivas na cultura, pela transmissão de fitopatógenos como os molicutes, Fitoplasma (Maize bushy stunt phytoplasma) e Espiroplasma (Spiroplasma kunkelii), sendo estes, os agentes causais do enfezamento do milho, e do Raiado Fino (Maize rayado fino-MRFV) (OLIVEIRA,2008).

 Na fase adulta, a cigarrinha, mede de 3,7 a 4,3 mm de comprimento, sendo de coloração amarelo-palha (Figura 1). Apresenta duas manchas circulares negras na parte frontal e é frequentemente encontrada no cartucho do milho. O ovo, amarelado, tem um período embrionário de cerca de nove dias, sendo colocado dentro dos tecidos das plantas, preferencialmente na nervura central da folha.

A ninfa, que vivem no interior do cartucho do milho (Figura 2), passa por cinco instares, período este que dura cerca de 17 dias (MARTINS et al., 2008). Sua biologia é sensivelmente afetada pela temperatura, e em temperaturas abaixo de 20°C as ninfas não eclodem (WAQUIL, 2004).

Ciclo de vida do inseto


Segundo Oliveira (2000), uma das características que tornam as infestações mais frequentes de D. maidis em lavouras de milho, é o fato da espécie apresentar um alto potencial biótico, e a capacidade de migração a longas distâncias. O inseto pode colonizar desde campos recém germinados até o florescimento, em função da progressão das gerações de insetos, e da entrada de outras cigarrinhas já adultas, principalmente quando se tem plantas adultas nas imediações.

Figura 1.Adulto da Cigarrinha do milho D. maidis  - Foto: Aristides Garcia
Figura 1.Adulto da Cigarrinha do milho D. maidis - Foto: Aristides Garcia
  Figura 2.Ninfas e adultos no interior do cartucho -Foto: Aristides Garcia
Figura 2.Ninfas e adultos no interior do cartucho -Foto: Aristides Garcia


Enfezamentos do milho

Na cultura do milho, existem dois tipos de enfezamento, que são causados por patógenos da classe dos molicutes. O enfezamento pálido é causado pelo patógeno Spiroplasma kunkelii, e o enfezamento vermelho é causado pelo Maize bushy stunt phytoplasma (OLIVEIRA et al., 2002).

A distinção entre os dois tipos de enfezamento, é feita com base nos sintomas da planta: no enfezamento pálido, os sintomas, inicialmente são listras largas descoloridas, amarelas ou verde-limão, na base das folhas infectadas, e posteriormente, as folhas novas apresentam o mesmo sintoma, além disso, a planta infectada pode apresentar encurtamento de entrenós (Fig.3), espigas mal formadas (Fig.5), deformadas ou ausentes e deformações no pendão, porém em alguns casos, os sintomas podem ser leves ou até mesmo ausentes, já o enfezamento vermelho pode causar sintomas como: o avermelhamento de folhas mais velhas (Fig 6 e 8); encurtamento de entrenós, perfilhamento anormal e desenvolvimento de várias espiguetas (Fig. 7) (WAQUIL, 2004).

Os molicutes invadem sistemicamente, e se multiplicam nos tecidos vasculares das plantas, mais especificamente no floema (Fig. 4), e são transmitidos para plantas sadias por meio do vetor D. maidis, que ao se alimentarem de plantas doentes, adquirem o patógeno, num período latente que varia de 3 a 4 semanas (WAQUIL, 2004). No entanto, esse período pode variar em função de condições ambientais como a temperatura, sendo a temperatura ótima para a aquisição e transmissão dos molicutes, entre 18 e 30 °C, e temperaturas abaixo de 16 °C, podem afetar a eficiência da transmissão e aumentar esse período; e a disponibilidade de plantas hospedeiras(OLIVEIRA et al., 2007).

 Fig. 3 Sintomas folhas e espigas - Foto: EMBRAPA
Fig. 3 Sintomas folhas e espigas - Foto: EMBRAPA
Fig. 4 Obstrução do Floema - Foto: Aristides Garcia
Fig. 4 Obstrução do Floema - Foto: Aristides Garcia
Fig. 5 Má formação das espigas - Foto: EMBRAPA
Fig. 5 Má formação das espigas - Foto: EMBRAPA
Fig. 6 Sintomas nas folhas
Fig. 6 Sintomas nas folhas
Fig.7 Formação de espiguetas
Fig.7 Formação de espiguetas
Fig. 8 Sintomas nas folhas
Fig. 8 Sintomas nas folhas

                

Raiado Fino

Essa virose pode causar reduções na produção da ordem de 30%. Como esse vírus é transmitido pelo mesmo inseto vetor que transmite os agentes causais do enfezamento vermelho e do enfezamento pálido, geralmente ocorre simultaneamente com essas doenças. Contudo, sua incidência é variável em áreas e em anos distintos, em geral sem atingir os mesmos níveis de incidência dos enfezamentos.

Os primeiros sintomas aparecem como pequenos pontos cloróticos na base e ao longo das nervuras das folhas jovens (Fig 9 e 10). Tornam-se evidentes com grande número de pontos cloróticos, que se fundem, tomando aspecto de riscas curtas. Em geral, os primeiros sintomas dessa virose aparecem em plantas jovens no campo, cerca de 30 dias após a semeadura, e permanecem visíveis mesmo nas plantas em fase de produção. Os sintomas da risca podem ser melhor discriminados observando-se as folhas infectadas contra a luz. Plantas infectadas podem apresentar espigas e grãos menores que o tamanho normal.

Fig. 9    Sintomas do Raiado (Folha) - Foto: Wagner Gusmão
Fig. 9 Sintomas do Raiado (Folha) - Foto: Wagner Gusmão


Fig. 10 Sintomas Planta Jovem - Foto: Aristides Garcia
Fig. 10 Sintomas Planta Jovem - Foto: Aristides Garcia

Esses 3 patógenos podem estar presentes no milho de modo separado ou mesmo ocorrerem de forma simultânea, dificultando o diagnóstico pelos sintomas, necessitando a realização de uma análise molecular, através de técnicas como a de PCR, onde se compara a sequência de DNA de cada fitopatógeno.

Outros Danos

Além dos danos relatados anteriormente, como: redução do porte das plantas, redução da área foliar, obstrução do floema, má formação de espigas e grãos, o Complexo de Enfezamento causa podridão de espigas, afetando diretamente no peso e a qualidade dos grãos, aumenta o índice de quebramento de colmo, dificultando a operação de colheita e com isso, há uma significativa perda de produtividade.

Fig. 11 Podridão de espiga - Foto: Aristides Garcia
Fig. 11 Podridão de espiga - Foto: Aristides Garcia


Fig. 12 Quebramento de colmo - Foto: Aristides Garcia
Fig. 12 Quebramento de colmo - Foto: Aristides Garcia  

Manejo e Controle

  • Utilizar cultivares de milho com resistência genética ao complexo de enfezamento.
  • Eliminar plantas tigueras.
  • Fazer tratamento de sementes com neonicotinóides
  • Fazer monitoramento e aplicações de inseticidas no período vegetativo, principalmente nos estágios iniciais (V4 até V12), lembrando que pode ocorrer ataque até VT.
  • Evitar semeaduras tardias, que concentram cigarrinhas infectantes com molicutes, na nova lavoura, provenientes de lavouras com plantas adultas presentes nas imediações.
  • Evitar utilizar sistema de produção com semeadura escalonada.
  • Diversificar híbridos e cultivares para evitar variação genética dos patógenos.


Classificação dos híbridos KWS quanto a tolerância ao complexo de Enfezamento

TRABALHO CONDUZIDO EM CANDIDO MOTA – SP. SAFRINHA 2019 COM ALTA PRESSÃO DE CIGARRINHA

 

Fonte: Ensaios Agroservice KWS
Fonte: Ensaios Agroservice KWS

 

 

 

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura