Como combater a broca da cana na primavera verão

- Foto: Wenderson Araujo/CNA

O período chuvoso é reconhecido, por especialistas, como os períodos de maior infestação da broca da cana-de-açúcar. Pesquisas indicam que a cada 1% de infestação, a produção de cana é reduzida em 1,21%, a de etanol em 0,27% e a de açúcar, em 0,38%.

A broca-da-cana (Diatraea saccharalis) pode ser encontrada durante todo o ano, mas é na primavera-verão, que – se o produtor não entrar com importantes ferramentas do Manejo Integrado de Pragas (MIP), como produtos biológicos (Cotesia flavipes e Trichogramma galloi) e inseticidas químicos – o prejuízo será inevitável. 

O setor, diante de tamanho poder destrutivo da broca-da-cana, já se prepara para dar início ao processo de controle, e que é essencial optar por um inseticida seletivo, de alto poder inseticida e que proteja as novas áreas de crescimento da cultura pela atividade sistêmica, ou seja, com capacidade de se movimentar dentro da planta.

É por isso, o uso de produtos à base de Clorantraniliprole (ingrediente ativo do Altacor) da FMC, principal inseticida do mundo e o segundo defensivo agrícola mais vendido do planeta é considerado como o produto ideal para o manejo da broca. Além de possuir as características citadas anteriormente, ele ainda entrega longo período de proteção, flexibilidade de uso - podendo ser aplicado via foliar, no sulco de plantio ou até mesmo diretamente sobre as Mudas Pré-Brotadas (MPBs) – e alta segurança, seja para os aplicadores, os consumidores de produtos agrícolas ou para o meio ambiente.

A sistemicidade desponta como um fator decisivo no processo de escolha de um inseticida para o controle da broca. O atributo – presente no Altacor - permite que a molécula proteja novas áreas de crescimento da cultura planta após ser aplicado no sulco de plantio ou via foliar. Conforme a planta cresce, melhor é a atuação do inseticida pela distribuição do produto em áreas novas. Levando em consideração que é nas partes mais novas da cana que a broquinha jovem faz seu orifício de entrada, a presença da sistemicidade no inseticida se torna ainda mais relevante.

Outra característica que diferencia o produto da FMC das outras diamidas e fisiológicos presentes no mercado é a sua longa ação residual, promovendo longo período de controle da praga. Fábio conta que o Altacor permanece em operação por até, no mínimo, 120 dias, quando aplicado no solo. No entanto, já tivemos áreas que a proteção perdurou até 200 dias. No caso da aplicação foliar, o residual mínimo é de 45 dias.

A seletividade também é fundamental. O inseticida da FMC se destaca pela sua alta seletividade, não somente aos agentes de controle biológico (Cotesia flavipes e a Trichogramma galloi), mas também aos insetos benéficos presentes nas áreas, como as joaninhas, tesourinhas, formigas carnívoras e algumas moscas, que auxiliam fortemente no manejo da broca. 

O produto possui, ainda, alto poder inseticida, pois além de controlar com eficiência a broca-da-cana, auxilia no manejo da broca-gigante, de cupins e até mesmo do Sphenophorus levis, outra praga que vem dizimando os canaviais.


Fábio Maximiano de Andrade Silva, gerente técnico de inseticidas para América Latina da FMC

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura