Como escolher estabilizadores das barras de pulverização corretamente

Estabilizadores de barras de pulverizadores são componentes importantes que têm a difícil missão de manter as barras de pulverização sempre alinhadas.

A aplicação de produtos fitossanitários está entre as principais etapas dentro da produção agrícola, e o seu sucesso é dependente de diversos fatores. Com a expansão da agricultura no Brasil, aumenta-se, também, o uso dos produtos fitossanitários para o controle de insetos, doenças e plantas daninhas. Contudo, deve-se atentar à escolha correta da tecnologia a ser utilizada para garantir a máxima eficiência no controle com o mínimo de perdas de produto e contaminação do meio ambiente sem deixar resíduo nos alimentos.

Apesar da importância da aplicação de defensivos, a escolha correta da tecnologia a ser utilizada não é tão simples. Muitos agricultores imaginam que um adequado emprego da tecnologia de aplicação está somente relacionado à escolha correta das pontas de pulverização, entretanto, estas devem estar corretamente dispostas na barra e operando dentro da sua faixa de pressão, garantindo, assim, adequada uniformidade de distribuição, ou seja, aplicação uniforme de líquido ao longo de toda a barra.

Além do uso correto das pontas hidráulicas, para obtenção satisfatória de uniformidade na distribuição do líquido, a barra de pulverização deve ser mantida na altura adequada em relação ao alvo, paralela ao solo durante o trabalho e oscilar o mínimo possível. Assim, com o intuito de conservar a barra nivelada, foram desenvolvidos os estabilizadores das barras de pulverização.

Esses estabilizadores minimizam as oscilações verticais e horizontais das barras, sua amplitude é proporcional ao comprimento da barra. As oscilações verticais são causadas principalmente por irregularidades do terreno, o que altera a altura de pulverização em relação ao alvo e prejudica a uniformidade de distribuição, promovendo excessiva sobreposição de calda. Quando há redução da altura da barra há uma falha na sobreposição. Além disso, quando há excessivas oscilações, pode ocorrer o choque da barra contra o solo, ocasionando danos. Já as oscilações horizontais, além de alterarem a uniformidade de distribuição, também provocam uma sobredosagem da aplicação.

O desalinhamento permite que uma planta receba mais produto que a outra, podendo acarretar em fitotoxicidade à cultura, ineficiência da pulverização e ineficácia de controle (Sasaki, et al 2011).

Comumente empregam-se a altura da barra de pulverização ao alvo de 50 centímetros. Esta altura se deve principalmente às características dos jorros de pulverização e à distância entre pontas. Em alguns modelos de pulverizadores, de acordo com as recomendações dos fabricantes, esta altura pode ser reduzida, visto que a distância entre as pontas hidráulicas foram reduzidas. Em campo, deve-se observar se a altura da barra em relação ao alvo, ao longo do seu comprimento, é a mesma. O papel dos estabilizadores de barra é manter esta altura, independentemente das irregularidades do terreno (declividade, obstáculos etc), mantendo a qualidade da pulverização.

Atualmente, há diferentes sistemas de estabilização sendo empregados nos pulverizadores hidráulicos de barra, podendo ser dotados de dispositivos mecânicos (pêndulos, trapézios e suspensões feitas por cabos), hidráulicos ou hidráulicos com controle eletrônico.

O sistema de estabilização denominada suspensão por cabos baseia-se na fixação das extremidades de um cabo na barra de pulverização, passando esse cabo por uma polia que fica acoplada a um motor elétrico. Neste caso, se o pulverizador estiver trabalhando em um terreno inclinado é possível, por meio do acionamento do motor, corrigir o ângulo da barra. Já o sistema que utiliza dispositivos hidráulicos com controle eletrônico, denominado como suspensão ativa, dispõe de sensores de ultrassom nas extremidades das barras para captar a posição desta em relação ao solo de forma contínua. Tais sensores enviam a informação a um sistema que atua sobre cilindros hidráulicos que mantêm a barra paralela ao solo.

Os sistemas automatizados de controle da barra permitem melhor controle da altura da barra. A barra segue as ondulações do terreno e alivia a tensão do operador, pois não há a necessidade de monitorar e ajustar constantemente a altura da barra. Ao se manter as barras de pulverização estabilizadas à altura correta do alvo, consegue-se uma boa uniformidade de distribuição da calda ao longo da barra e, em alguns casos, pode evitar a deriva. A deriva é o desvio da trajetória das gotas liberadas pelo processo de aplicação e que não atingem o alvo, ocasionando, portanto, perdas do produto, deficiência do tratamento fitossanitário e consequente contaminação do meio ambiente e de pessoas próximas às áreas tratadas. Lembrando que outro fator importante na deriva de produto é o tamanho de gota utilizada na aplicação, gotas mais finas são mais suscetíveis à deriva, enquanto gotas mais grossas são mais propícias ao escorrimento.

O emprego dos estabilizadores facilita a utilização de marcadores de faixa de aplicação, reduz os movimentos de oscilação das barras dos pulverizadores, diminuindo a variabilidade de depósito, além de permitir o desenvolvimento de pulverizadores mais rápidos e com maiores barras, melhorando a capacidade operacional durante a aplicação de defensivos.

De modo geral, para evitar possíveis perdas de produto, ineficiência de controle, danos ao implemento e contaminações diversas, deve-se ficar atento ao funcionamento correto do estabilizador de barras, realizando as manutenções corretivas se houver necessidade e proceder sempre as manutenções periódicas recomendadas pelo fabricante.

Exemplos de sistemas dotados de dispositivos mecânicos, dispositivo pendular.
Exemplos de sistemas dotados de dispositivos mecânicos, dispositivo pendular.
Exemplos de sistemas dotados de dispositivos mecânicos, dispositivo trapezoidal.
Exemplos de sistemas dotados de dispositivos mecânicos, dispositivo trapezoidal.
Alguns modelos de pulverizadores são dotados de dispositivos hidráulicos com controle eletrônico, denominada como suspensão ativa, com sensores de ultrassom nas extremidades das barras para captar a posição desta em relação ao solo e corrigi-la de forma contínua.
Alguns modelos de pulverizadores são dotados de dispositivos hidráulicos com controle eletrônico, denominada como suspensão ativa, com sensores de ultrassom nas extremidades das barras para captar a posição desta em relação ao solo e corrigi-la de forma contínua.
Alguns modelos de pulverizadores são dotados de dispositivos hidráulicos com controle eletrônico, denominada como suspensão ativa, com sensores de ultrassom nas extremidades das barras para captar a posição desta em relação ao solo e corrigi-la de forma contínua.
Alguns modelos de pulverizadores são dotados de dispositivos hidráulicos com controle eletrônico, denominada como suspensão ativa, com sensores de ultrassom nas extremidades das barras para captar a posição desta em relação ao solo e corrigi-la de forma contínua.
Alinhamento da barra de pulverização.
Alinhamento da barra de pulverização.


Robson Shigueaki Sasaki, Hêner Coelho, IF Minas Gerais; Mauri Martins Teixeira, UFV; Christiam Felipe Silva Maciel, Cleyton Batista de Alvarenga, UFU


Artigo publicado na edição 147 da Cultivar Máquinas. 


ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura