Como fazer a desinfecção de máquinas e implementos agrícolas

A desinfecção de máquinas e implementos agrícolas ao mudar de uma área para outra pode evitar o transporte de pragas, algumas importantes como é o caso dos nematoides.

Os nematoides constituem um sério problema para o cultivo de diversas culturas em praticamente todas as regiões do mundo. As perdas podem variar de 20 até 100% da produção, dependendo da densidade populacional, suscetibilidade da cultivar, espécie de nematoide, tipo de solo e condições ambientais (temperatura e umidade relativa). No Brasil, os danos mais significativos são resultantes do ataque do nematoide-das-galhas, principalmente Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica, que são as espécies com maior distribuição (Embrapa, 2010).

Em países com clima tropical e subtropical os nematoides encontram condições como umidade e temperaturas ideais para reprodução e alimentação. Tais fatores são agravantes no controle destes patógenos, os quais após ter se estabelecido em uma área, são de erradicação muito difícil. No Brasil, as espécies que causam os maiores danos às grandes culturas como soja, algodão, cana-de-açúcar e milho são Meloidogyne javanica, Meloidogyne incognita, Heterodera glycines, Pratylenchus brachyurus e Rotylenchulus reniformis (Torres et al).

É muito comum o abandono de áreas agrícolas pela infestação de nematoides, obrigando os agricultores a abrir novas áreas, porém isso gera custos muito elevados. O controle do nematoide ocorre principalmente seguindo princípios fitopatológicos: como exclusão, erradicação, regulação e imunização.

A Exclusão é usada para evitar a infestação de áreas indenes por espécies ou novas raças, na propriedade ou numa região geográfica maior, ou seja, evitar a introdução e a disseminação. A erradicação dos nematoide exige a rotação de culturas com espécies de verão e de inverno não hospedeiras e/ou antagonistas, objetivando a redução da densidade populacional da praga. A regulação é a modivicação do ambiente e nutrição das plantas, já a imunização é a utilização de cultivares resistentes a determinadas espécies ou raças.

Existem diversas formas de disseminação de nematoides, entretanto, destacam-se a irrigação com água contaminada, em especial quando a fonte da água está próxima ao local de lavagem das raízes; a utilização de sementes sujas com pequenos torrões de terra contaminados aderido a elas e a movimentação de animais e do homem em áreas de cultivo (Embrapa, 2010).

Porém é necessário destacar que a disseminação por máquinas e implementos agrícolas contaminados tem chamado bastante atenção. É muito comum o uso de máquinas e implementos transitarem durante a mesma jornada de trabalho entre áreas sadias e áreas infestadas por nematoides. As máquinas e implementos podem levar à introdução de patógenos radiculares, que ficam aderidos junto às partículas de solo presentes nas enxadas rotativas, grades, arados, subsoladores e nos pneus de tratores agrícolas, podendo ser veiculados propágulos não somente de nematóides, mas de fungos e bactérias.

A disseminação de doenças por máquinas e implementos toma proporções ainda maiores quando se trata de cooperativas, onde as máquinas são compartilhadas entre um maior número de produtores agrícolas e consequentemente um maior número de áreas. Recomenda-se a adoção de práticas culturais que impeçam a disseminação como a limpeza de máquinas e implementos agrícolas antes de executar trabalhos nas áreas ainda não infestadas (Embrapa, 2007).

Para eliminar o risco de contaminação por nematoides as máquinas e implementos agrícolas devem passar por uma limpeza com jatos fortes de água, o equipamento mais adequado para essa limpeza são lavadoras de alta pressão, antes de operar com esses equipamentos em outra área. Todos os equipamentos devem ser lavados, porém deve-se dar maior atenção aos rodados e órgãos ativos dos equipamentos agrícolas que entram em contato com o solo, verificando a total remoção de torrões de solo. As águas residuárias dessa lavagem deve ter destino seguro, caso contrário também será veículo de infestação de nematoide, assim como o cuidado com a limpeza da cabine do trator e as botas dos operadores de trator. 

A dispersão do Nematoide de Cisto da Soja (Heterodera glycines) no Brasil está ocorrendo com muita rapidez. Em 91/92 estimava-se a área infestada em 10.000 ha. Atualmente, essa área oscila em torno de 1 milhão e meio de hectares. Entretanto, existem muitas propriedades localizadas em municípios considerados infestados, onde o Nematoide de Cisto da Soja (NCS) ainda não está presente. Entretanto, existem muitas propriedades localizadas em municípios considerados infestados, onde o NCS ainda não está presente. Assim, a prevenção ainda deve ser a principal estratégia. O trânsito de máquinas, equipamentos e veículos tem sido o principal agente de dispersão do NCS no País (Embrapa, 1997).

O controle químico mediante o uso de nematicidas, é anti-econômico e pouco efetivo. Em excesso, esses produtos são tóxicos ao homem e ao meio ambiente, além de custos elevados das aplicações (Embrapa, 2005). O controle de áreas infestadas por nematoides podem ser realizadas através do controle cultural, como rotação de cultura, plantas antagônicas e alqueive ou pousio. Porém essas alternativas de controle são muito onerosas ao produtor e nem sempre o resultado é positivo. Para adotar alqueive como controle cultural de uma área infestada por nematoide, deve-se excluir toda vegetação do solo, inclusive as plantas invasoras, por no mínimo dois anos, realizando sempre o revolvimento do solo por meio de aração e gradagens.

É interessante que os produtores tenham consciência da importância da limpeza, desinfecção e desinfestação das máquinas e implementos, principalmente quando esses equipamentos são transportados para outros estados. Fiscalização nas barreiras sanitárias em relação à sanitização dessas máquinas deveria ser realizada.

As máquinas e implementos agrícolas durante a jornada de trabalho provocam atrito nas copas das plantas, dessa forma propágulos de fungos e bactérias ficam aderidos, além de provocar injuria aos galhos e folhas gerando uma porta de entrada para esses patógenos. Por isso a limpeza das máquinas e implementos agrícolas antes de iniciar uma nova área é extremamente importante. 

Após o trabalho com o subsolador lavar o disco de corte.
Após o trabalho com o subsolador lavar o disco de corte.


Após o trabalho com o subsolador lavar os rodados de transporte.
Após o trabalho com o subsolador lavar os rodados de transporte.


Após o trabalho com o subsolador lavar a haste.
Após o trabalho com o subsolador lavar a haste.


Após o trabalho com o subsolador lavar todos os discos da grade.
Após o trabalho com o subsolador lavar todos os discos da grade.



Aline Castro Praciano, Daniel Albeiro, Erialdo de Oliveira Feitosa, Deivielison Ximenes Siqueira Macedo, Viviane Castro dos Santos, Rafaela Paula Melo, Universidade Federal do Ceará 


Artigo publicado na edição 148 da Cultivar Máquinas. 


ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura