Como manejar mosca e percevejos

Diversas espécies de insetos-praga podem atacar a soja e causar sérias perdas de produtividade e qualidade de grãos. A pressão de infestação e as espécies variam conforme a região, as condições climáticas e o manejo nos sistemas agrícolas. Um grupo de pragas que tem recebido muita atenção nas últimas safras é a de sugadores, especialmente as espécies de percevejos fitófagos e a mosca-branca (Bemisia tabaci biótipo B). Vários fatores contribuem para o aumento da relevância desses insetos. Destacam-se a elevada adaptabilidade às condições de clima no Brasil, a alta capacidade reprodutiva, que proporciona diversas gerações em uma mesma safra, a capacidade de sobrevivência dos adultos e o comportamento do inseto na planta. Tais aspectos ligados à dificuldade do controle químico tornam essas pragas de difícil controle. Os danos desses insetos são mais evidentes a partir dos estágios reprodutivos da cultura, no entanto o início da infestação nas lavouras pode ocorrer com antecedência, já na fase vegetativa da soja.

A principal espécie de percevejo tem sido o percevejo-marrom (Euschistus heros). Devido à frequência e à densidade populacional nas principais regiões produtoras de soja, os maiores danos são comumente relacionados a essa espécie. Além desse, nota-se também a ocorrência de outras espécies como o percevejo-verde-pequeno (Piezodorus guildinii), o percevejo-verde da soja (Nezara viridula) e o percevejo barriga-verde (Dichelops spp.), dentre outros. Os percevejos causam danos diretos à produtividade, como resultado do abortamento ou má-formação de vagens e grãos e a redução da qualidade dos grãos produzidos. Podem ainda ocorrer danos indiretos, como a retenção foliar, causando a maturação desuniforme, que dificulta a colheita.

Leia a matéria completa acessando aqui.

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura