Consórcio de milho safrinha e plantas forrageiras

O consórcio de milho safrinha e plantas forrageiras permite diversificar o cultivo sem alterar a sucessão com a soja. Com investimento mínimo, é possível aumentar a cobertura do solo com palha, melhorar a produtividade da oleaginosa em sucessão e, ainda, produzir forragens para animais na entressafra.

 O milho safrinha é cultivado em um ambiente peculiar, com menor oferta de água e calor em comparação ao milho verão, o que desfavorece o crescimento do capim de origem tropical. Assim, o maior desafio não é suprimir o crescimento inicial do capim, mas proporcionar boas condições para o seu estabelecimento e desenvolvimento. A forrageira pode ser pastejada em curto espaço de tempo (dois meses, em média) ou utilizada como planta de cobertura. Para tanto, a gramínea não pode produzir sementes antes do manejo, precisa cobrir a área uniformemente, ser de fácil dessecação e proporcionar bom desempenho da máquina semeadora de soja. A Brachiaria ruziziensis é a espécie que atende todos estes requisitos.

Os métodos de implantação da braquiária que se adaptam à maioria dos ambientes de milho safrinha são os simultâneos ou com uma mínima defasagem de tempo em relação à semeadura do milho, seja com distribuição das sementes a lanço ou no sulco de semeadura.

O consócio com linha intercalar é o melhor método quando o milho safrinha é cultivado com espaçamento entre linhas de 80cm ou 90cm. A máquina que semeia a soja é a mesma que vai ser utilizada no milho safrinha, com o mesmo espaçamento entre carrinhos. Normalmente o produtor tira uma linha sim outra não após a semeadura da soja, deixando a máquina preparada para o espaçamento de 80cm a 90cm do milho safrinha. No caso da utilização do consórcio o produtor deve manter as linhas a 45cm e utilizar discos diferentes para o capim: em semeadoras convencionais é utilizado o disco universal de sorgo de 5mm com 50 furos e nas semeadoras pneumáticas, o disco de canola de 1,2mm a 1,5mm com 120 furos. Apenas a linha do milho deve ser adubada e, para tanto, se deve tampar a saída da caixa de adubo na linha onde será semeada a planta forrageira.

A distribuição a lanço é utilizada em lavouras com espaçamento reduzido e deve ser feita antes da semeadura do milho para permitir que os mecanismos das linhas da máquina semeadora-adubadora incorporem parte das sementes do capim. As desvantagens deste método são o maior gasto de sementes (pelo menos o dobro em relação ao consórcio intercalar) e a emergência em reboleiras, conforme as condições climáticas na época da semeadura do milho safrinha. A distribuição simultânea pode ser feita também na própria linha de semeadura, utilizando semeadora de milho com caixa para sementes de capins ou fazer a adaptação da terceira caixa em oficina regional.

 No caso do milho safrinha, não é recomendada a técnica da mistura das sementes com o adubo de semeadura, pois o posicionamento profundo do adubo pode retardar a emergência do capim. Também a mistura da semente com o fertilizante nitrogenado de cobertura não é adequada, porque o adubo é distribuído algum tempo depois da emergência do milho.

O consórcio de milho safrinha e plantas forrageiras permite, além de diversificação das espécies cultivadas, a maximização da ciclagem de nutrientes. São acumulados aproximadamente 35kg de potássio (K20) por tonelada de massa seca da parte aérea da B. ruziziensis que, após a dessecação com glifosato, são rapidamente mineralizados e contribuem para a nutrição da soja cultivada em sucessão, como demonstrado na Figura 1.

Figura 1 - Concentração dos nutrientes N, P, K, Ca, Mg e S na parte aérea das espécies forrageiras Panicum maximum cultivar Tanzânia, Brachiaria ruziziensis, B. brizantha cultivar Marandu e B. decumbens) em consórcio com milho safrinha  Média de cultivo intercalar com milho safrinha, no estádio de maturidade fisiológica dos grãos, em 2008 e 2009, na região do Médio Paranapanema, estado de São Paulo (Palmital, Campos Novos Paulista, Pedrinhas Paulista e Florinea).  Fonte: Batista et al (PAB, v.46, 2011)
Figura 1 - Concentração dos nutrientes N, P, K, Ca, Mg e S na parte aérea das espécies forrageiras Panicum maximum cultivar Tanzânia, Brachiaria ruziziensis, B. brizantha cultivar Marandu e B. decumbens) em consórcio com milho safrinha Média de cultivo intercalar com milho safrinha, no estádio de maturidade fisiológica dos grãos, em 2008 e 2009, na região do Médio Paranapanema, estado de São Paulo (Palmital, Campos Novos Paulista, Pedrinhas Paulista e Florinea). Fonte: Batista et al (PAB, v.46, 2011)


Cuidados

O correto estabelecimento do consórcio depende de sementes do capim de boa qualidade. A maioria das sementes de forrageiras objetiva atender ao mercado pecuarista que, pela necessidade de maior volume para distribuição a lanço e pouco impacto da presença de terra e plantas daninhas na formação das pastagens, adota padrões oficiais relativamente baixos na comercialização das sementes. O mínimo do valor cultural (VC) para comercialização é 50. O VC é o produto entre a pureza (%) e a germinação (%, em tetrazólio) das sementes. No caso do consórcio, devem-se utilizar sementes com VC acima de 70, que, por apresentarem altos índices de germinação e pureza, são apropriadas para distribuição nas pequenas quantidades requeridas no cultivo consorciado e reduzem a chance de contaminar a área com nematoides e plantas daninhas. O gasto de sementes VC 70 no cultivo intercalar é de aproximadamente 3kg/ha.

Desenvolvimento do capim e supressão com herbicidas

Geralmente, não há diferença significativa na produtividade de grãos de milho comparando-se o milho no consórcio e o milho solteiro, não sendo necessária a aplicação de herbicidas para a supressão parcial do crescimento do capim. Da mesma maneira, não há necessidade de aumentar a adubação nitrogenada de cobertura do milho safrinha para compensar possível absorção pelo capim. Porém, quando se utiliza população elevada da forrageira, híbridos de milho de folhas mais eretas e/ou quando a época de semeadura do milho é antecipada (período mais quente) a produção de massa do capim pode ser favorecida, atingindo 3t/ha ou mais, afetando o desenvolvimento e a produtividade do milho. Embora esses casos sejam poucos, deve-se acompanhar o desenvolvimento inicial do capim para verificar a necessidade de supressão com uma subdose de nicussulfuron (até 100ml/ha do produto comercial para a Brachiaria ruziziensis).

Controle de pragas

Atualmente, com o emprego do milho transgênico Bt pode ser necessária a aplicação de inseticidas para controle de lagartas especificamente no capim, pois as braquiárias são atacadas pela maioria das lagartas.

Dessecação e semeadora da soja

 Para assegurar os benefícios do consórcio na produtividade de soja é necessária uma dessecação apropriada do capim (aproximadamente duas semanas antes) e ajustes na plantadeira da soja (aumento do tamanho e afiação do disco de corte, por exemplo) para a distribuição uniforme e contato direto das sementes com o solo (sem bolsas de ar).

Rotação do consórcio

É recomendado evitar o cultivo contínuo do consórcio milho safrinha-braquiária e não implantá-lo em solos com alta população de Pratylenchus brachyurus porque esse nematoide se multiplica nas duas espécies. Assim, o sistema deve ser alternado nos diferentes talhões da propriedade para maximizar os benefícios da quebra da monocultura. Geralmente, quando a braquiária é cultivada por apenas um ciclo, o aumento da matéria orgânica e da porosidade do solo suplanta a possível multiplicação de pragas e nematoides, que pode se tornar um problema se o capim continuar sendo utilizado na mesma área. 


Aildson Pereira Duarte, Isabella Clerici De Maria, Instituto Agronômico (IAC)


Artigo publicado na edição 190 da Cultivar Grandes Culturas. 

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura