Equilíbrio nutricional como aliado da resistência natural das plantas de tomate

O equilíbrio nutricional é um importante aliado em tomateiro, por favorecer a resistência natural das plantas e possibilitar que enfrentem melhor eventuais situações de estresses.


O melhoramento genético das plantas de tomateiro tem evoluído constantemente, contribuindo para a capacidade produtiva, assim como para a qualidade dos frutos, em que se torna possível o plantio em diferentes regiões edafoclimáticas, e ainda, tolerância e/ou resistência a doenças e pragas, sendo possível atender às exigências de diferentes nichos de mercado consumidor de maneira satisfatória. 

Estes avanços têm proporcionado, junto a outros fatores como temperatura, luminosidade, água e nutrientes, o desenvolvimento adequado, que proporcionará na hora da colheita a produtividade e a qualidade dos frutos esperadas.

Os nutrientes considerados essenciais para as plantas são aqueles que participam de alguma função estrutural ou fisiológica dos vegetais, sem os quais a planta não consegue completar o seu desenvolvimento. E o balanço entre os nutrientes, em cada fase de desenvolvimento do tomateiro, é fundamental para que se tenha um desenvolvimento equilibrado para que a cultivar expresse seu potencial genético.

Além disso, é necessário estar atentos porque surpresas climáticas costumam ocorrer todos os anos, fazendo com que seja necessário ajustar este manejo e conduzir estas plantas diante de possíveis fatores estressantes, sejam climáticos ou por ataque de patógenos, insetos e pragas, afinal uma planta bem nutrida e equilibrada terá uma maior capacidade de superar estes diferentes fatores estressantes.

Os nutrientes exercem um papel fundamental nos mecanismos de resistência natural das plantas, tais como a formação de barreiras mecânicas, pelo aumento da espessura das paredes celulares; a síntese de compostos de defesa, como os antioxidantes (fitoalexinas e flavonoides); e, ainda, a própria capacidade de absorver mais nutrientes e água, junto à geração de energia pela fotossíntese, fazendo com que a planta esteja preparada antes deste possível momento estressante.

É preciso ser eficiente no manejo nutricional das plantas, independentemente do tipo de cultivo e das condições climáticas
É preciso ser eficiente no manejo nutricional das plantas, independentemente do tipo de cultivo e das condições climáticas

Dentre estes nutrientes, há os micronutrientes cobre e zinco, que além de participar do metabolismo primário, como a fotossíntese e respiração, participam do metabolismo secundário, que está relacionado aos mecanismos de defesa natural das plantas, como na síntese de compostos antioxidantes e de defesa do vegetal. Por isso, é fundamental manter os níveis nutricionais adequados para o desenvolvimento normal do cultivo, uma vez que em condições de deficiência ou de desequilíbrio, nas respectivas fases de desenvolvimento do tomateiro, tanto a produtividade como a qualidade final dos frutos poderão ser comprometidas.

Estes micronutrientes devem ser fornecidos junto aos demais nutrientes via solo, e ainda, durante o desenvolvimento do cultivo via foliar, em complemento às adubações de base e de cobertura. Estes elementos, quando aplicados via foliar, irão contribuir tanto para a síntese como para a sinalização de atividades fisiológicas das plantas, tendo assim um efeito nutricitor, preparando as plantas contra possíveis situações estressantes.

Quando se fornecem os nutrientes via foliar é preciso ser eficiente, seja com o emprego de fontes solúveis, quantidade e proporções balanceadas com outros elementos, e complexadas e/ou quelatadas, para que ocorra uma adequada absorção foliar, e assim se tenha a contribuição no desenvolvimento do vegetal.

Na agricultura há, atualmente, soluções que são compostas por estes importantes micronutrientes, os quais são complexados por aminoácidos e combinados com polissacarídeos obtidos de fermentação microbiana, que irão contribuir de maneira mais efetiva e balanceada, e assim auxiliar para um crescimento mais equilibrado das plantas e com maior capacidade para a produção dos compostos de defesa contra os possíveis fatores estressantes que possam ocorrer durante o cultivo do tomateiro.

Com isso, independentemente das diferentes cultivares de tomateiro, do tipo de cultivo e das condições climáticas, é preciso sempre ser eficiente no manejo nutricional das plantas, para que consigam completar o seu ciclo produtivo dentro do tempo adequado, seja para o crescimento como para uma maior capacidade de resistência contra os fatores estressantes, para que o tomateiro consiga expressar o seu maior potencial produtivo, com frutos de melhor qualidade.


Marcos Revoredo, Alltech

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura