​O que esperar do feijão comum na safra 2016/17?

Foto: Daniel Fragoso

Ao falar do cultivo de feijão, precisamos contextualizar brevemente que se trata de um grão com cultura de farto consumo aqui no País. E assim como as demais nações com este hábito, a produção atende à demanda doméstica, estabilizada em 15kg/habitante/ano no Brasil. Isso, sem contarcom a produção argentina de feijão preto, que atende o mercado carioca, principalmente. Portanto, por uma lógica simplificada, consegue-se imaginar o que esperar dos preços e dos campos de produção, consequentemente.

Que lógica? Se houver alguma commodity remunerando bem, os agricultores buscam este cultivo na intenção de reduzir risco e elevar lucros, como foi o exemplo do milho na safra 2015/16. Na sequência, o feijão safra e inverno perdem área de plantio no Cerrado. E, pronto, diminui a oferta e o preço sobe.

Então, qual o verdadeiro espaço do feijão no agronegócio? Para não deixar o arroz solteiro no prato do brasileiro, o feijão fica apertado entre 10% e 15% da área plantada, considerando o total de área ocupada por agricultura de grãos no Brasil nas três safras. Ressalta-se ainda que após duas safras com redução de espaço no campo para o feijoeiro comum, desta vez estima-se um incremento de 20% na primeira safra.

Este mercado possui fatores que carecem de análise. Perecibilidade do produto, disputa por área com o milho, influência da oferta e demanda de soja no mercado, comércio internacional nulo e demanda estabilizada podem significar desconfiança. Mas, o preço elevado em função de três anos seguidos com redução da oferta são muito animadores para o cultivo do feijoeiro na sucessão da soja. A elevação no crédito rural para a cultura em questão é outro fator considerável. Seguramente, há registro de crescimento no volume de financiamento. Tanto no PRONAF, quanto no total de empréstimos para este cultivo. Mercado promissor nesta safra.

Antes de bater o martelo, existe outro ponto importante. O lançamento de novas cultivares para o mercado brasileiro. No cenário de retomada do crescimento deste braço do agronegócio, é importante destacar a finalização das pesquisas que lançarão a cultivar de feijoeiro super precoce. Grande oportunidade ao agricultor.

Qual a novidade? A inovação está em plantar uma cultivar que promete finalizar os ciclos com 55 dias, diante de condições ótimas para adaptabilidade e estabilidade produtiva do material. A inovação está em competir de fato com o milho na safrinha, inclusive oferecendo menos riscos. Pois, com esta precocidade, estaria pronto para colheita antes mesmo da estiagem completa das chuvas.

Então, economicamente está mais viável nesta safra 2016/17 devido aos preços do mercado, considerando os cenários de milho e soja. Com uma novidade, novas cultivares chegando para estimular ainda mais esta cadeia agrícola essencialmente brasileira aumentando as possibilidades de cultivo. As expectativas são de ótimos resultados.

ver mais artigos

Por Thiago Rodrigues Ramos Farias, Engenheiro Agrônomo, MSc. Agronomia - Produção Sustentável e DSc. Agronomia - Gestão do solo e água

CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura