Os ajustes de solo para o clima seco no Brasil

- Foto: Wenderson Araujo/CNA

O Brasil está vivenciando um período de estiagem que tem se mostrando o mais severo dos últimos 90 anos, e esse cenário reflete diretamente no produtor rural. Aa alteração climática acontece por causa de um vórtice ciclônico importante na região do oceano pacífico com maior interferência climática no Brasil, recebendo a escala ninho 3 - La Niña - um fenômeno natural que, oposto ao El Niño, consiste na diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental - que está mais próximo da América do Sul.

De acordo com o meteorologista, professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas, Luiz Carlos Molion, os estudos apontam para um possível início das chuvas no território nacional em setembro, trazendo mais umidade ao Brasil, com isso, teremos um fluxo de umidade maior entrando no país, possibilitando um período chuvoso que ajuda a recuperar a umidade do solo, e consequentemente, auxiliam na preparação para o início do plantio da safra de verão.

No entanto, segundo Molion, uma formação de vórtice ciclônico de alto nível deve trazer uma condição de veranico de 3 a 4 semanas, alterando o clima de algumas regiões, que podem ser mais afetadas, com chuvas abaixo da média em várias localidades. A região Sul e Sudeste do Brasil, irá se destacar com um baixo índice de chuva. A região Centro-Oeste, também permanecerá abaixo da média, porém, uma observação importante é a previsão de inconsistência climática que transitará no mapa climático em Goiás, o deslocamento do sistema do vórtice ciclônico, podendo receber chuva num efeito zigzag climático.

Com tantas alterações e falta de recursos hídricos, qual é a melhor saída para o agricultor se prevenir dos veranicos nas grandes áreas de cultivo? Molion diz que o produtor deve se preparar e usar as técnicas agronômicas convencionais, com o objetivo de reter água no solo ao mesmo tempo ter plantas com sistema radiculares mais desenvolvidos volumetricamente e mais aprofundados, sendo muito importante no condicionamento e descompactação de solo. 

Uma boa descompactação de solo auxilia na produção de raízes, proporcionando maior atividade de microrganismos, tornando a planta mais produtiva, mais protegida de doenças e propiciando um ambiente favorável para o desenvolvimento de sistema radicular mais profundo.

Existem produtos no mercado que são capazes de auxiliar o recurso de descompactação de solo. O Grupo Fertiláqua, especialista em qualidade de solo, tem como um grande aliado os condicionadores de solos, que vem para trabalhar na estrutura química, física e biológica do solo, liberando nutrientes, atuando na estrutura de melhorias físicas do solo, garantindo maior produtividade, diminuindo a compactação do solo e no desenvolvimento do sistema radicular, sendo indicado utilizar os condicionadores na dessecação pré-plantio, estruturando um sistema radicular mais eficiente e acessar água mais profundamente, ao longo do perfil de solo e ter plantas que sintam menos as condições de estresse do solo.

Ao promover um ambiente mais propício ao desenvolvimento radicular possibilitamos um maior acúmulo de reservas nessas estruturas e proporcionamos a planta adaptar-se fisiologicamente aos períodos de estresse, sejam eles climáticos ou biológicos. O uso dos condicionadores Fertiláqua aumenta a resposta adaptativas das plantas e garante uma melhor interação com microrganismos do solo, o que gera uma maior concentração de carbono em camadas mais profundas do solo e levando o ambiente produtivo, em geral, ter uma maior eficiência no uso dos recursos empregados para o desenvolvimento da lavoura.


Grupo Fertiláqua

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura