Prudência na travessia

A abordagem dos obstáculos requer o conhecimento da altura máxima de travessia de seu veículo, o que pode ser verificado no manual do proprietário. É bom saber que uma manobra desastrada pode danificar seriamente o motor de seu 4x4. Trechos profundos poderão provocar a entrada de água no compartimento do motor, que poderá ser aspirada pela entrada de ar, provocando o calço hidráulico e inutilizando o motor imediatamente.

Os motores a gasolina ou a álcool levam uma certa vantagem, porque ao terem a parte elétrica da distribuição molhada, o motor desliga, muitas vezes, antes do ar ser aspirado. Para os motores a diesel, o calço hidráulico pode ocorrer mais facilmente, pois na ausência da parte elétrica, o combustível manterá o motor funcionando até que a água alcance a entrada de ar.

Para evitar surpresas desagradáveis, faça antes uma inspeção a pé e veja se o trajeto não esconde armadilhas como pedras grandes ou buracos profundos. Retorne ao veículo e acione a tração 4x4, blocante (se tiver), e engate a primeira reduzida, que deverá ser usada até o final, não troque de marchas durante a travessia. O deslocamento não deve ser rápido a ponto de espirrar a água no pára-brisa, pois desta forma, inevitavelmente, entrará água também pelo compartimento do motor. Faça com que se forme uma pequena onda em frente do pára-choque dianteiro, isto vai provocar uma depressão logo embaixo do motor, criando uma camada de ar entre ele e a água. Siga dessa maneira até o final da travessia. Se possível, dirija a favor da correnteza e em diagonal para a outra margem.

Não pare durante a travessia, mas se um imprevisto o obrigar a isso, mantenha o motor ligado e ligeiramente acelerado, para evitar que a água entre pelo escapamento.

Quando terminar a travessia tome cuidado com os freios, pois o sistema de lonas fica sem atrito com o tambor de freio, necessitando de tempo para secar, o que já não é tão crítico nos modelos com freio a disco. Independente do tipo de sistema, procure rodar alguns minutos com o pé pressionando levemente o pedal de freio, pois assim o atrito irá secar as lonas e pastilhas, devolvendo o controle do veículo.

Para trechos profundos, com mais de 80cm de água, há que se tomar cuidado com a correnteza, que, se houver, poderá dificultar muito a travessia. Além disso, a água pode invadir a cabine ou pior, atingir a entrada de ar do motor.

A solução para o motor é mais simples, e consiste na instalação de uma tomada elevada de ar, também conhecida como snorkel. O equipamento é composto por um tubo instalado na entrada de ar do filtro, elevando-a para a parte mais alta do veículo. A instalação do snorkel requer um bom isolamento e vedação na ponta do tubo, que será conectado à entrada de ar do filtro.

Com esses cuidados e o preparo do veículo, será mais fácil e seguro enfrentar rios que cruzam as trilhas, e também as inundações de verão em pleno centro das grandes cidades.

João Roberto de C. Gaiotto,
Goodyear

* Este artigo foi publicado na edição número 25 da revista Cultivar Máquinas, de novembro de 2003.

* Confira este artigo, com fotos e tabelas, em formato PDF. Basta clicar no link abaixo:

/arquivos/m25_prudencia.pdf ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura