Test Drive Duplo com tratores da LS Tractors

Testamos a versatilidade dos tratores da LS Tractor Plus 90 e U60 nas mais diversas aplicações na produção de hortaliças, desde o plantio até a colheita

Não poderíamos ter feito escolha melhor para um duplo teste de campo dos tratores LS, modelos Plus 90 e U60. Um cliente perfeito para uma jornada com dois importantes modelos da empresa de origem sul-coreana, estabelecida no Brasil na cidade de Garuva (SC). Fomos à cidade de Holambra, no Estado de São Paulo, para visitar um cliente Premium da marca, a empresa Rijk Zwaan, de origem holandesa, com subsidiária no Brasil. Ela é uma das cinco maiores produtoras de sementes de hortaliças do mundo e possui na cidade de Holambra uma área administrativa e de pesquisa e desenvolvimento de sementes, em que os tratores LS são protagonistas em uma frota padronizada na marca.
O responsável por nos receber na empresa nos contou do intenso processo de escolha das marcas que fornecem para a Rijk Zwaan. Ficamos impressionados com a narrativa do processo e aplicação de critérios que levaram a empresa a escolher a LS como a sua fornecedora de tratores, que servirão ao processo meticuloso e delicado de produzir sementes para a horticultura com alto padrão genético.

Nossa atividade de testes de campo desenvolveu-se em uma das unidades de pesquisa e produção da estação experimental brasileira da empresa. O local é Holambra e ali pudemos testar os dois modelos da LS Tractor, em condições diversas e com diferentes equipamentos, conforme a sua aplicação no processo de produção.  
A LS Tractor apresenta um portfólio de tratores baseado em seis séries, com três modelos da série Plus, o Plus 80, o Plus 90 e o Plus 100; dois modelos da série U, o U80 e o U60; dois da série R, R65 e R50; um modelo da série G, o G40; dois da série H, o H125 e o H145; e o microtrator MT1.25, que tem tido uma repercussão nacional incrível e o qual temos muita vontade de testar em condições de trabalho.

Embora já tenhamos testado o U60 em março de 2013 e em fevereiro de 2018, o Plus 90 é uma novidade. Conhecíamos o Plus 100C, logo no seu lançamento em setembro de 2013, quando este era o maior modelo da marca, ainda antes do lançamento da linha H. De lá para cá, a empresa incrementou sua fabricação na fábrica de Garuva (SC), e a fatia de mercado da empresa aumentou muito. 

PLUS 90
O trator Plus 90 é o principal trator da unidade de experimentação da empresa Rijk Zwaan, e com ele é desenvolvida a maior parte das operações, principalmente as mais pesadas. O Plus 90 trabalha com rodado duplo nas operações que necessitam maior disponibilidade de potência e, quando é retirado o rodado duplo, serve às operações com grande demanda, porém, que necessitam se desenvolver em menores espaços e nas quais a operação com rodado duplo fica difícil. Nestas operações pesadas, o Plus 90 fica encarregado de tracionar o arado de discos, o escarificador, as grades média e niveladora de discos, a enxada rotativa e a enxada rotativa com encanteirador e adubador. 
O processo de preparação do solo bruto é feito com arado de discos ou grade, dependendo da situação do terreno, incluindo, às vezes, uma passada de escarificador para a descompactação. O escarificador é também utilizado para misturar o fertilizante no solo, depois de mobilizado. O trator é usado igualmente para a colocação de palanques após a aplicação do mulching. Os postes de três metros de comprimento são enterrados a uma profundidade de um metro no solo, e o orifício é aberto com um perfurador de solo para moirões acionado pela TDP do trator Plus90. 
O motor deste trator é da marca Perkins, modelo 1104D-44TA, de quatro cilindros, volume total de 4.400cm3, oito válvulas e aspiração turbo com aftercooler. Gera uma potência máxima de 90cv a 2.200 rpm e um torque máximo de 393Nm a 1.400rpm. (Norma ISO/TR 14396). Os limites de Tier III para emissões de poluentes são respeitados neste modelo.
A transmissão de potência se inicia com uma embreagem de acionamento mecânico, com um disco tipo orgânico de 330mm de diâmetro. A caixa de velocidades é sincronizada, denominada Synchro Shutlle, mas com opção de uma caixa hidrostática denominada de Power Shuttle. A transmissão Syncro Shuttle tem 12 velocidades à frente e 12 a ré, com um inversor igualmente sincronizado, podendo chegar a 20 velocidades à frente e a ré com o super-redutor (Creeper). A alavanca de velocidade está colocada no lado direito do assento e a de grupos, no lado esquerdo do operador.  
A Tomada de Potência (TDP) é inovadora para o que se oferta no país, pois tem três rotações de funcionamento (540/750/1.000), podendo utilizar a rotação de 750rpm como alternativa de TDP econômica.

O sistema hidráulico de três pontos é da categoria II, com vazão máxima de 61,6L/min e pressão máxima de 200kgf/cm2. A capacidade de levantamento medido na rótula pode chegar a 3.800kgf. O sistema é tradicional, com alavanca de controle de posição e de profundidade. Neste trator, há um sistema automático (Liftmatic) que proporciona o conforto de ajustar a altura de levante, e controlá-lo com uma pequena alavanca. Depois de ajustada a profundidade ao abaixar o implemento, volta-se a esta profundidade pré-programada.
O sistema de controle remoto é do tipo independente, permitindo que o sistema hidráulico de três pontos e o controle remoto sejam acionados simultaneamente. Conta com três válvulas de controle remoto na versão standard, com pressão de 200kgf/cm2 e vazão máxima de 61,6L/min. Como solução criativa, este modelo tem uma relação de cores entre a alavanca com a válvula de dupla ação, em que as cores (preto, azul e verde) relacionam-se com as capas das válvulas, dando maior facilidade ao operador quando está fazendo o acoplamento do trator ao implemento.
O eixo dianteiro é motriz, com acionamento eletro-hidráulico. No eixo traseiro, a redução final é do tipo epicíclica e o bloqueio do diferencial não utiliza alavanca, e sim um interruptor eletro-hidráulico. O sistema de direção é do tipo hidrostático, com bomba individual de vazão de 24,2L/min. Os três discos de freio do eixo traseiro trabalham úmidos em óleo e o acionamento é por meio de cilindro hidráulico.
Há uma ampla opção de rodados à disposição do usuário, para o qual o fabricante já informa os casais de pneus que devem ser montados nos dois eixos motrizes. No trator que testamos, o casal de pneus que estava montando era 12.4-24 R1 no eixo dianteiro, e 13.6-38R1 no eixo traseiro, rodado duplo. Porém, o fabricante oferece mais 12 opções para condições particulares. O depósito de combustível é de 100 litros. O peso de embarque do Plus 90 é de 3.350kg, chegando a 4.950kg com todos os lastros. A distância entre eixos é de 2.375mm e o vão livre é de 507mm. A bitola pode ser ajustada para as diferentes necessidades, variando neste modelo de um mínimo de 1.709mm até 1.818mm no eixo dianteiro, e de 1.651mm a 1.851mm no eixo traseiro.

O modelo Plus 90 é oferecido na versão plataformada, com Rops (Rollover Protective Structure), e posto aberto ou na versão cabinada, como o trator que testamos. O acesso ao posto do operador se faz por uma escada com dois degraus antiderrapantes, e pegamãos na coluna da cabine e no interior da porta. Há duas portas com chave, sendo que a entrada principal, a do lado esquerdo e a do lado direito, pode ser utilizada como saída de emergência. O assento do operador é de boa qualidade, com descansa braços e cinto de segurança retrátil.
O sistema de ar-condicionado apresenta seletores de velocidade e direcionamento do fluxo de ar e temperatura. Quanto aos comandos, principalmente aqueles de uso frequente (acelerador manual, controle remoto, sistema hidráulico e transmissão), estão na zona de melhor acesso. Um comando multifunção controla todos os movimentos para um dos usos que se preveem deste trator, que é a lâmina, guincho ou concha frontal. O painel de comandos (sinais de informação do funcionamento do sistema e tratômetro) acompanha a coluna do volante quando esta é ajustada.

TESTE
Na área de experimentação, o trator Plus 90 é encarregado das operações pesadas e atua tracionando o arado, o escarificador, a grade e a enxada rotativa com encanteirador e adubador de 1,20m largura. Para se entender sistema utilizado na estação experimental, explica-se que a área é dividida em lotes e estes vão sendo preparados e utilizados para a produção de sementes. Nas áreas brutas, que ainda foram incorporadas ao processo de produção, é feita uma preparação do terreno para a futura colocação dos canteiros. Todo este processo compreende uma sequência de aplicação de arado de disco, grades médias e niveladoras, além de, em determinados casos, o escarificador ser utilizado para diminuir a compactação, visto que se necessita de solo bem solto para a formação do canteiro. O arado solta o solo e a grade niveladora quebra os torrões, para depois entrar o encanteirador. Explicaram-nos que, às vezes, é necessária uma passada de enxada rotativa, pois, com o entorroamento, não é possível montar os canteiros. Ao final, se faz uma adubação de base e este fertilizante é incorporado com uma passada de escarificador.

O primeiro teste na gradagem sobre milheto com o Plus 90 foi com uma grade média em V, marca Santa Izabel, modelo GNL 28 de 28 discos, com peso de 720kg, recomendada para uma potência de 70cv a 75cv. A marcha escolhida foi a 4ª marcha, na rotação de 1.800rpm. Embora este trator seja utilizado em operações pesadas com rodado duplo, em diversas condições o rodado externo é retirado, como é o caso do encanteiramento. Estava prevista, após esta gradagem, uma semeadura a lanço de cultura de cobertura e mais uma gradagem de incorporação, com o mesmo trator. Esta área, que será utilizada no primeiro semestre de 2020, será mantida com adubação verde.
Como explicado, em cada semestre se realiza a produção em uma parcela que só poderá receber um novo cultivo após cinco anos de pousio e recuperação. Utiliza-se a aveia preta e o milheto como culturas de cobertura e adubação verde.
Após a preparação do terreno, chega o momento de formar os canteiros, que se faz com uma enxada rotativa com encanteirador e adubador, para, ao final, colocar-se o mulching plástico. Fizemos o teste do Plus90 com o encanteirador de 1,20m de largura. A máquina é uma enxada rotativa com encanteirador e adubador marca MEC-RUL, modelo ERP 150 B C/FC, de 1,25m de largura de canteiro. Esta operação é feita com o solo preparado e bastante solto. Utilizamos o Plus 90 na primeira marcha do grupo L, sem creeper (super-redutor) a 1.800rpm, com o que se conseguia uma velocidade de deslocamento de 1,9km/h a 2km/h. 

U60
O U60 é o trator versátil deste cliente. É utilizado para tracionar a enxada rotativa com encanteirador e adubador de 1,10m de largura de canteiro, a plaina traseira, a plastificadora de canteiros e a roçadora, entre outras atividades de menor requerimento de potência.
O motor que equipa este modelo é da marca LS, modelo L4AL-Tier3, com quatro cilindros, volume de 2.505cm3 e 16 válvulas e aspiração com um turbo compressor. Alcança a potência máxima de 65cv a 2.500rpm (Norma ISO/TR 14396) atendendo os limites de emissões correspondentes ao padrão Tier III. Este trator tem uma bomba de sangria do sistema de alimentação, com um dispositivo eletrônico de detecção de presença de água misturada no combustível. Quando isto ocorre, o operador é avisado através de um sinal luminoso presente no painel do trator.

A embreagem utilizada é do tipo cerametálico, com um disco de 275mm de diâmetro e com acionamento mecânico por pedal. A caixa de marchas, assim como no Plus90, tem uma versão standard e outra opcional. A standard é sincronizada (Synchro Shuttle) e com auxílio hidrostático na versão opcional (Power Shuttle). A versão standard sincronizada tem 32 velocidades à frente e 16 a ré, com inversor mecânico e super-redutor (creeper), sendo um dos únicos modelos oferecidos no mercado com super-redutor na versão standard. A versão opcional é de 16 marchas à frente e 16 a ré, com inversor hidráulico.
A Tomada de Potência (TDP) é independente, com acionamento por um interruptor eletro-hidráulico também apresentando três rotações, 540/750/1.000rpm, oferecendo, assim como o Plus 90, a possibilidade de utilizar a velocidade intermediária, de 750rpm, como TDP econômica. O acionamento da TDP é eletromecânico, em modo manual ou independente, conforme a posição da chave seletora. Na configuração manual, a TDP se desconecta quando a embreagem for acionada. Quando a escolha for para a forma independente, o trator desliga automaticamente a TDP, quando os braços do sistema de três pontos se elevarem. O lubrificante da transmissão é o mesmo utilizado no sistema hidráulico, VCRs e sistema de direção. O sistema hidráulico utiliza duas bombas hidráulicas independentes. A primeira serve exclusivamente ao sistema de direção do trator e a outra é utilizada para o sistema de levantamento em três pontos e para as VCRs. Há uma automatização do sistema, pois, ao utilizar uma pequena alavanca, posicionada ao lado direito do posto de operação, o operador pode levantar o equipamento, e com um toque pode baixá-lo a uma posição vertical pré-programada. São oferecidas duas Válvulas de Controle Remoto (VCRs) independentes, na versão standard, podendo chegar como opcional a três VCRs. A vazão máxima do sistema é de 36,4L/min.
O sistema hidráulico de três pontos da categoria II tem uma vazão total de 55 L/min e pressão máxima de 208kgf/cm3. A capacidade de levantamento de peso na rótula alcança 2.200kgf na versão opcional. E o controle de levantamento utiliza o tradicional sistema de alavancas de posição e profundidade.
O eixo dianteiro é de acionamento mecânico. O eixo traseiro tem redução final epicíclica, com bloqueio do diferencial mecânico. O sistema de direção é do tipo hidrostático, com bomba exclusiva, e o sistema de freios é por três discos que trabalham imersos em óleo, com acionamento mecânico por pedal. 
São cinco as versões de pneus oferecidas pelo fabricante. O trator que testamos estava utilizando pneus 9.5-24 R1 no eixo dianteiro e 12.3-36 R1 no eixo traseiro. O depósito de combustível é de 80L, e o peso em ordem de marcha é de 2.930 na versão standard e 3.575 com opcionais. A distância entre eixos é de 2.047mm e o vão livre é de 420mm. O ajuste de bitolas permite variar de 1.295mm a 1.840mm no eixo dianteiro e 1.215mm a 1.740mm no eixo traseiro.

A cabina é fixada sobre quatro coxins, dois frontais e dois traseiros, para diminuir a vibração. Há duas portas, com chave, e ainda uma janela traseira basculante. O trator tem uma estrutura de proteção no capotamento (Rops) embutida dentro da cabina. Na lateral esquerda, embutida nas colunas, há um ponto de energia de 12V e os interruptores das luzes internas e externas da cabina e do limpador de para-brisas. No console lateral, posicionado à direita do operador, estão instalados um porta-objetos, as alavancas de acionamento das marchas, a alavanca de acionamento (escolha) da rotação da TDP e as de acionamento das VCRs, do acionamento do sistema de três pontos, e determinação da profundidade de trabalho do implemento acoplado nos três pontos. Na cor laranja, destaca-se a alavanca de memorização da posição regulada do sistema de três pontos. No piso e no lado esquerdo do assento, estão colocadas a alavanca do freio de estacionamento e a alavanca seletora dos grupos de marchas (quatro grupos). No piso da plataforma, para o comando do operador, os pedais de embreagem, freios, acelerador de pé, de bloqueio do diferencial e do acionamento da TDA. O volante de direção tem regulagem de posição, e na sua coluna está colocado o acelerador, na direita, e, na esquerda, a alavanca de reversão. O assento do operador possui apoio de braços e cinto de segurança, e pode ser ajustado de três formas: distância, posição do encosto e oscilação vertical.
O capô é basculante e favorece bastante as operações de manutenção e limpeza de radiadores, e demais componentes do motor.

TESTE
Com o trator U60 também testamos a operação de encanteiramento. Quando realizamos este teste com o Plus 90, a condição de solo era solta, com grande mobilização, podendo ser feita a uma maior velocidade. Neste caso, fizemos sobre solo firme, sem preparo prévio e com vegetação de cobertura, utilizando a super-redução (creeper) standard neste modelo. Utilizamos a enxada rotativa com encanteirador e adubador marca MEC-RUL, modelo ERP 140BC/FC, de 1,10m de largura de canteiro, em 1ª marcha, com creeper desenvolvendo uma velocidade de 500m/h. 

Verificamos que havia uma adaptação na máquina encanteiradora, por meio de um pequeno acessório ao defletor traseiro, colocado para provocar um abaulamento do canteiro, para melhorar a drenagem da água superficial, decorrente da chuva ou da irrigação. 
Não chegamos a testar, porém, vimos que o processo de recobrimento dos canteiros é feito com o U60, com material plástico (mulching), utilizando uma máquina plastificadora de canteiros marca MEC-RUL, modelo PCMR 120 para mulching de até 1,20m, com peso de 280kg, para uma potência requerida de 30cv. 
O responsável pela área de pesquisa nos explicou que para estas tarefas e para a pulverização é fundamental o reduzido raio de giro do trator. Este foi um dos critérios para a escolha da marca LS, pois com o espaço reduzido de 2,90m entrefilas de tomateiro, sobrando apenas 1,70m de largura útil, é fundamental que o trator tenha no máximo uma bitola de 1,40m e capacidade de manobrar entre ruas alternadas. Em sua opinião, a presença de um eixo dianteiro com pivot, sem cruzetas, é fundamental.

Agradecemos à equipe da empresa Rijk Zwaan Brasil, pela apresentação de todas as suas atividades nas áreas de pesquisa, inclusive mobilizando-se para que pudéssemos realizar os testes de campo, especialmente ao engenheiro Marcelo Bonaroti, gerente de estação, ao Cleuzo Bazarello, Líder de Campo da Unidade 1, e ao Valdir Costa Ramos, Líder de Campo da Unidade 2. 
Também agradecemos ao Astor Kilpp, da LS Tractor Brasil, ao Paulino Jeckel, da Agência Escala, e ao representante do concessionário J.A. Máquinas, Ademir Chiquetti, pelo apoio estratégico e acompanhamento durante todos os testes. 

LS Tractor no Brasil e no mundo
A fabricante de tratores de origem sul-coreana produz equipamentos agrícolas no país de origem desde o ano de 1976, primeiramente com a marca LG, depois passando à LS. A marca LS Mtron nasceu em 2008, quando se iniciou a fabricação dos tratores da marca LS, adquirindo mais tarde a denominação LS Tractor. Na Coreia do Sul é uma das líderes de mercado em máquinas agrícolas e componentes eletrônicos. Na China, desde 2009, a marca produz, em uma nova fábrica, mais de 50 mil tratores por ano no total. No Brasil, depois do início e da consolidação da marca, já se apresenta entre as cinco marcas líderes de mercado. 
No nosso país, as operações se iniciaram em 2013, primeiramente com poucos modelos importados e depois passando a fabricar na nova unidade construída na cidade de Garuva, em Santa Catarina, próxima a Joinville. A rede de concessionários da marca já está bastante desenvolvida, objetivando o atendimento de clientes de todas as regiões brasileiras. De um início em que se produziam somente tratores para os pequenos e médios agricultores de todas estas regiões, a empresa lançou tratores de potência superior aos 100cv, expandindo o seu mercado para médios e grandes produtores, com os modelos da série H. Recentemente, vários itens de tecnologia têm sido agregados aos já existentes, apresentando soluções para o monitoramento de frota e o diagnóstico de funcionamento dos motores.

Test drive num lugar referência qualidade de sementes
A área de testes e conhecimento dos tratores Plus 90 e U60 foi a Unidade 2 da área de pesquisa e desenvolvimento da empresa holandesa Rijk Zwaan, na cidade de Holambra. A empresa é cliente da LS Tractor, com três tratores adquiridos recentemente. É uma área exclusivamente de pesquisa para o melhoramento e a adaptação de produtos ao mercado brasileiro. As áreas cultivadas com vários produtos hortícolas servem apenas como pesquisa e desenvolvimento de sementes trazidas da matriz, na Holanda, e das quais é verificado o fenótipo, quando desenvolvidas no ambiente do nosso país. O lema da empresa, escrito no portal de entrada da Unidade 1 da estação experimental, em Holambra, é “Sharing healthy future”, ou seja, “Compartilhando um futuro saudável”, que está ligado a todas as práticas desenvolvidas nos campos experimentais. A empresa, ao chegar ao Brasil, desenvolveu um sistema detalhado de seleção de fabricantes de maquinaria agrícola, com o que a LS Tractor tornou-se fornecedor. Para que a empresa de origem coreana vendesse máquinas para a Rijk Zwaan, vários critérios objetivos foram aplicados, como o aspecto técnico (velocidades de deslocamento, manobrabilidade etc.) e a situação do concessionário (estabilidade econômica, conhecimento técnico, estoque de peças etc.) e do fabricante (inexistência de conflito comercial, posição de mercado etc), sendo o preço do produto um dos fatores menos relevantes.

Os testes com as culturas e variedades desenvolvidas na estação levam à escolha dos melhores materiais e mais bem adaptados ao mercado brasileiro. Uma vez aprovadas pelo processo de melhoramento e produção, as sementes são fornecidas a produtores selecionados pelos representantes técnicos de vendas, que acompanham todo o processo.
A empresa, em nível mundial, emprega 3.000 funcionários e tem subsidiárias em mais de 30 no mundo e está presente em mais de 100 países. No Brasil, são duas experimentais, uma em Holambrae outra em Mossoró (com apenas pesquisa em melão e melancia). 
Em termos de mecanização, a empresa possui, nas estações 1 e 2, em Holambra, três tratores - Plus 90, U60 e R60 -, arados de discos reversíveis, atomizador, carreta agrícola, distribuidor de fertilizante por gravidade, enxadas rotativas com encanteirador e adubador, enxada rotativa, escarificadores, grades médias e niveladoras em V, plaina traseira, plastificadora de canteiros e roçadora. 

ver mais artigos

José Fernando Schlosser

Laboratório de Agrotecnologia/Nema/UFSM

CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura