Test Drive exclusivo Imperador 3.0

Dotado de um sistema pneumático, o Imperador 3.0 da Stara é uma máquina que pode realizar as operações de pulverização, distribuição de produtos sólidos e semeadura de sementes

Para os leitores da edição de março, que circula paralelamente à Expodireto 2019, na cidade de Não-Me-Toque no Rio Grande do Sul, a Revista Cultivar Máquinas apresenta um teste com uma máquina realmente inovadora. Trata-se do Imperador 3.0 da Stara, um equipamento que tem tríplice função, tornando-se uma máquina bastante versátil que pode ser usada em diversas operações durante a safra.

Em 2016, a empresa lançou este equipamento possibilitando a pulverização e distribuição de produtos sólidos. Em 2018 agregou uma função a mais, com a possibilidade de semear sementes de plantas que possam servir de cobertura após a colheita. Este novo equipamento apresenta um dispositivo de semeadura que utiliza um sistema pneumático de condução e distribuição de sementes. Este sistema passou a ser designado como Ponte Verde. Além de poder ser adquirido com a máquina nova, ele pode ser montado sobre um equipamento que tenha sido adquirido na configuração básica. Portanto, a grande vantagem é que o agricultor que possui o produto adquirido antes do lançamento do Ponte Verde pode adquirir este equipamento como opcional e montá-lo sem problemas, pois um dos

diferenciais que possibilita isto é que o controlador que atua sobre o Ponte Verde é o mesmo usado para o pulverizador e o distribuidor de produtos sólidos, com disco.

É quase desnecessário defender o estabelecimento de práticas que possibilitem a cobertura vegetal permanente do solo. Os estados do Sul constituíram uma cultura de conservação do solo, em que a cobertura permanente é fator-chave para o sucesso e a obtenção de altas produtividades. No Sul, em geral, a aveia, a ervilhaca ou mesmo com misturas de sementes de culturas, e no Centro-Oeste, principalmente a braquiária. Não há mais como pensar em um sistema equilibrado entre produção e conservação, sem uma cultura protegendo o solo.

Motores de roda com redutores axiais permitem maior torque

Há várias maneiras de se introduzir uma cultura em sequência da outra. No entanto, se houver possibilidade de antecipar a semeadura da cultura de cobertura, quando ainda o cultivo principal estiver no campo, representa um ganho de tempo fundamental. É natural entender-se que a capacidade de proteção de uma planta jovem é menor que uma já estabelecida. Por isto, é necessário intercalar a semeadura antes da colheita, sendo primordial definir qual o estádio da cultura principal para esta semeadura. O momento da aplicação mais adequado parece ser o início da senescência, quando começa a desfolha, no caso da soja, nossa principal cultura nacional.

Embora existam muitos dados e informações provenientes de órgãos de pesquisa, a Stara tem estabelecido parcerias para testes, a maioria em lavouras comerciais dos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná. É sabido que a soja em final de ciclo gera pouca cobertura, portanto adiantar o processo de semeadura de uma cultura de inverno proporciona que já na colheita haja uma cobertura. Paralelamente à temática da inserção de culturas em cobertura, este equipamento também proporciona ao produtor rural a possibilidade de trabalhar com fracionamento de aplicação de produtos sólidos, quando conveniente, recomendado tecnicamente e economicamente viável.

Nosso enfoque principal neste teste é este equipamento pneumático de distribuição de sementes, mas também avaliaremos sua integração em uma só máquina de pulverização e distribuição de produtos sólidos. Modernamente, o pulverizador já tomou protagonismo nos processos de produção agrícolas modernos, sendo uma das máquinas mais utilizadas no ciclo, formado por diferentes fases. Quando uma máquina agrega, além do pulverizador, um distribuidor, sua utilização se incrementa bastante. Introduzindo-se ainda a função semeadura é necessário entender que a sua utilização em uma propriedade rural será mais intensa ainda.

Nota-se que a posição da barra central de pulverização e em consequência do depósito de líquido é um fator importante para que houvesse a possibilidade de colocação do depósito de sólidos e sementes na parte traseira da estrutura. A barra de pulverização, neste novo projeto, passou a agregar além dos bicos, os dispersores que proporcionam a distribuição das sementes.

MOTOR E TRANSMISSÃO

O Imperador 3.0 é equipado com motor da marca Cummins, de seis cilindros em linha, turboalimentado, que proporciona 223cv de potência máxima. Este é montado transversalmente sobre o chassi da máquina e fica logo atrás da cabine. O motor possui gerenciamento eletrônico que atende à legislação de controle de emissões vigente, a Proconve MAR-I. Os técnicos da Stara relataram que a empresa fez um estreitamento de relações com o fornecedor do motor, em que se obteve o mapa de melhor rendimento do motor, o que resultou na possibilidade de dispor aos usuários uma função de modo econômico (ECO). A faixa ótima de funcionamento do motor está próxima ao regime de funcionamento de 1.800rpm, o que aumenta a economia de combustível. Esta função está disponível com um simples toque no monitor do sistema de gerenciamento da máquina.

O sistema de transmissão montado na máquina conta com uma bomba hidráulica acoplada ao motor e a quatro motores de roda. Todo o sistema é da marca Rexroth, que pertence ao Grupo Bosch. A transmissão é 4x4 integral e conta com controle de tração, que através da leitura de diferença de velocidade entre as rodas faz o controle do fluxo de óleo, reduzindo, com isto, o patinamento. O equipamento possui uma capacidade de rampa de 31,7%, o qual é bastante interessante para as lavouras do Sul do Brasil que, em geral, possuem relevo mais ondulado. São os redutores de roda que permitem este alcance.

Com quatro “marchas” para deslocamento da máquina, tem como velocidades máximas 16km/h, 22km/h, 25km/h e 42km/h, sucessivamente. As três primeiras são indicadas pelo fabricante como as velocidades de trabalho, e a quarta é utilizada somente para transporte. A seleção destas marchas pode ser feita com o equipamento em movimento, através de interruptor localizado no comando multifunção.

Todo o sistema hidráulico do Imperador 3.0 utiliza 195 litros de óleo hidráulico integrado, que deve ser trocado a cada 1.000 horas. O fornecimento do óleo resulta de uma parceria da Stara com a Iconic Lubrificantes (joint venture criada pela Ipiranga e a Chevron), que desenvolveu um óleo exclusivo de especificação 68 que pode ser adquirido nas concessionárias e revendas da Stara.

ESTRUTURA E DEPÓSITOS

Sistema de distribuição pneumático de sementes

O Imperador 3.0 é um equipamento autopropelido que reúne pulverizador com barras centrais, distribuidor e semeador pneumático (opcional). A estrutura básica é um chassi com longarinas longitudinais e travessas, onde todos os componentes são agregados. A posição central das barras confere estabilidade à máquina ao distribuir o seu peso sobre as operações. Para distribuição, o peso é dividido 44% na parte dianteira e 56% na parte traseira. Para pulverização, o peso é igualmente dividido, 50% na parte dianteira e 50% na parte traseira. Esta diferença se dá pela posição do depósito que está sendo utilizado. A massa total do Imperador 3.0, em vazio, é de 9.980kg e de 11.680kg (1.700kg a mais) quando equipado com o sistema Sobe e Desce.

Diferentemente dos pulverizadores autopropelidos Imperador 3000 e 4000, o Imperador 3.0 possui sistema de direção apenas nos rodados dianteiros da máquina. A máquina encontra-se equipada com sistema de suspensão pneumática ativa, com sistema de três pontos, curso de 20cm e com quatro bolsões de ar independentes, que proporcionam melhor adequação ao terreno, menor índice de patinagem e melhoria na qualidade de aplicação.

SISTEMAS DE PULVERIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E SEMEADURA

O sistema de pulverização baseia-se em uma bomba centrífuga de aço inox com vazão de 430 litros/minuto. A tubulação, também de aço inoxidável, garante maior durabilidade dos componentes devido à resistência à corrosão. A barra de aplicação, que pode ser de 27m ou 30m, é dividida em sete seções, uma central e três para cada lado, podendo ser desligadas automaticamente para evitar a sobreposição (para pulverização), quando o veículo passar sobre uma área aplicada e que tenha sido registrada pelo sistema. As barras são fixadas ao quadro central por quatro pontos e possuem um controle exclusivo de estabilidade, montado em toda linha Imperador. O amortecimento das barras é feito através de acumuladores hidráulicos com gás.

O corpo dos bicos de pulverização é triplo, o que possibilita a montagem de três pontas de pulverização que podem ser selecionadas somente com um giro da roseta do corpo. O Imperador 3.0 possui o retorno calibrado, sistema este que impede o sobrecarregamento dos bicos, como no caso de desligamento de uma seção. Neste caso, ao invés da calda permanecer na tubulação ou ser distribuída entre os bicos abertos, ela retorna ao reservatório. Isso garante que a pressão de trabalho seja constante no sistema.

O incorporador de calda, localizado à esquerda da máquina, é de fácil acesso do operador, possuindo capacidade de 35 litros e contando com o sistema para a lavagem das embalagens dos produtos. Este processo conta um reservatório de água limpa com capacidade de 240 litros, tendo boa autonomia para realizar a tríplice lavagem. O Imperador conta com o sistema de autoabastecimento, opcional no modelo básico, que apresenta vazão máxima de 800 litros por minuto. O conjunto de abastecimento está montado na parte frontal direita da máquina e é de fácil acesso ao operador.

O sistema de distribuição de produtos sólidos conta com um reservatório de aço inox montado na parte traseira da máquina, com capacidade de três metros cúbicos. Ao fundo do reservatório está instalada uma esteira de borracha para fazer o transporte do produto até os discos de distribuição. Os dois discos são acionados através de uma caixa de transmissão, acionada por um motor hidráulico.

Ao final da esteira está instalada uma comporta para limitar a quantidade de produto, com regulagem fixa, feita manualmente. Para o estabelecimento da dose a ser aplicada, quem faz esta calibragem é o controlador Topper 5500, que modifica a velocidade da esteira, para obter a quantidade de produto que cairá sobre os discos. O equipamento também possui um sistema de comporta dupla, que tem a sua abertura controlada automática e individualmente para a realização de arremates e bordaduras.

O acesso ao reservatório de sólidos e sementes é feito através de uma escada localizada na parte traseira esquerda da máquina. Para fechamento do reservatório, o usuário pode adquirir como opcional uma lona que possibilita um fechamento fácil e rápido, através de um sistema de cabos e manivelas. Para auxiliar na visão traseira da máquina e da aplicação, uma câmera está instalada e transmite as imagens ao monitor Topper 5500. Opcionalmente, o Imperador 3.0 pode utilizar até seis câmeras, quantidade suportada pelo Topper 5500.

Além da distribuição de sólidos, o Imperador 3.0 conta com o sistema de semeadura pneumática, onde é possível realizar a distribuição ao longo de toda a extensão da barra. A alteração de um sistema para o outro é simples e é realizada através de um simples toque em um interruptor localizado no painel de comandos, após a desmontagem do sistema de discos distribuidores e a montagem do sistema pneumático.

O sistema de semeadura pneumática conta com uma turbina, que fornece um fluxo de ar, dois rotores colocados abaixo da esteira dosadora, para distribuir uniformemente para ambos os lados, dois misturadores/separadores de sementes e dispersores distribuídos na barra de pulverização. O reservatório para a colocação de sementes é o mesmo utilizado para os sólidos e a dose também é controlada através da velocidade da esteira de borracha.

Assim, a esteira faz a dosagem das sementes, que vão para os rotores que garantem o fluxo uniforme do produto. Após, elas são levadas para o misturador, onde são distribuídas uniformemente para os dutos localizados nas barras até chegar aos dispersores espaçados em 0,95m (barras de 30m) e 1m (barras de 27m). Portanto, com este sistema é possível utilizar o mesmo rastro da pulverização para realizar a semeadura, diminuindo o amassamento e possibilitando a execução de prática de tráfego controlado.

AJUSTE DE BITOLA E VÃO LIVRE

O Imperador 3.0 possibilita o ajuste da bitola de 2,8m até 3,5m. Este ajuste pode ser feito pelo operador, desde o posto de operação, com uma pequena movimentação do veículo. Quanto ao vão livre, importante para aplicação em culturas em fases adiantadas de desenvolvimento, neste equipamento o ajuste pode ser feito em duas alturas, 1,43m e 1,83m. O sistema denominado “sobe e desce” utiliza um conjunto de alavancas e um pistão hidráulico em cada roda, que ao ser acionado de dentro da cabine, provoca uma elevação de 40cm na altura do equipamento. Este sistema, lançado em 2107, é realmente inovador e diferente das soluções utilizadas pelos concorrentes. Ao ser acionado, no monitor do Topper 5500, ele projeta o equipamento para trás e para cima, dando estas duas opções de altura. Embora opcional nos modelos básicos, a empresa afirma que a maioria dos produtores tem optado em adquirir a máquina com este dispositivo, pois a facilidade de ajuste e a utilidade são enormes.

CABINE

Console lateral e o monitor Topper 5500 reúnem todas as funções vitais

O posto de operador do Imperador 3.0 foi umas das surpresas positivas para a equipe de teste. O acesso à cabine é feito por uma escada, que já nos agradou, pois o primeiro degrau é bem próximo ao solo, facilitando o início da subida. Esta escada é retrátil e se movimenta automaticamente em função das condições de parada do veículo, que deve estar com o freio manual acionado para que o acesso e a saída sejam permitidos. Há bons pega-mãos para auxiliar a subida e como apoio na descida. Internamente, a cabine também impressionou positivamente, pois tem um ótimo acabamento e uma adequada distribuição dos comandos. Como comando central e multifunção, há um joystick, onde a função de aumento da velocidade em cada marcha é feito com a movimentação longitudinal do comando. A troca de marcha é feita apenas com toque de dois interruptores posicionados atrás da alavanca, ao alcance dos dedos indicador e médio. A função de ajuste da altura da barra de aplicação é feita neste comando, com um toque do polegar, assim como a troca das telas do monitor, posicionado à direita, na altura dos olhos.

TECNOLOGIA TOPPER, PILOTO E TELEMETRIA

O Imperador 3.0 já vem equipado de fábrica com o controlador Topper 5500, que é responsável pelo gerenciamento da máquina e controle da pulverização, distribuição e semeadura. Sendo assim, é através da interface que se pode realizar a configuração da taxa de aplicação e distribuição. O monitor está localizado no lado direito do operador e é de fácil acesso, e neste se podem configurar nove telas.

O controlador pode trabalhar tanto com sinal GPS livre ou pago (antena RTK), sendo assim, dois modos de aplicação são possíveis, com a taxa fixa e com a taxa variável. No sistema de taxa fixa o operador informa a dose a ser aplicada e ela não se altera. Já quando se está utilizando a taxa variável é possível alterar a dose conforme a recomendação através de mapas de fertilidade e produtividade.

Juntamente com o Topper 5500 está instalado o sistema de direção assistida ou piloto automático, de suma importância para a melhora da eficiência operacional da máquina, diminuição de falhas, redução de amassamento. Este possibilita trabalhos em modo curva e modo reto. Outra tecnologia empregada no Imperador 3.0 é o sistema de telemetria, sendo possível monitorar em tempo real a operação que a máquina está realizando e informações sobre aplicações.

TESTE

O teste do Imperador 3.0 foi realizado em uma área de teste de protótipos e treinamentos da Stara, localizada na sede da fábrica no município de Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul. Durante o teste tivemos a oportunidade de avaliar todos os dispositivos que constituem a máquina, sua aplicabilidade e funcionalidade, além da ergonomia proporcionada durante a ativação dos comandos.

A primeira parte do teste constituiu-se em um breve período de explicações básicas de funcionamento e em adequar o posto de comando para o conforto do operador através do ajuste da coluna de direção, o qual pode ser feito em três partes: inclinação, regulagem de ângulo e regulagem de profundidade. Ademais, fez-se a regulagem do banco que possui suspensão pneumática e acionamento por tecla.

Basicamente, o controle principal deste equipamento autopropelido é realizado através do joystick presente no console do lado direito do operador, em que nele se definem o sentido, a velocidade de deslocamento, as trocas de marchas, os comandos de altura de barra em relação à cultura, a ativação da pulverização ou distribuição, as trocas de tela do Topper 5500 e habilitar/desabilitar o piloto automático. Aproveitamos para testar a sensibilidade e a facilidade de troca de funções.

Testamos o distribuidor pneumático com sementes de aveia

O Imperador 3.0 está equipado com diversos dispositivos de proteção contra uso incorreto e segurança do operador. Desta forma, erros básicos que incidem e problemas de segurança são bloqueados pelo sistema. A função de habilitar as barras da máquina foi criada devido à necessidade de proteção durante o manuseio da mesma, caso o operador pressione uma das teclas de ativação da barra no joystick. Toda vez que se requer a utilização e o manuseio da barra, uma solicitação de ativação aparece no monitor Topper 5500 para que as mesmas sejam habilitadas e assim serem utilizadas.

Ainda sobre as barras, o Imperador 3.0 apresenta comandos de acionamento eletro-hidráulicos para a correta utilização das mesmas. O primeiro é a ativação da bomba de pulverização através de tecla de acionamento. O segundo é para a liberação da barra (quadro) do chassi do autopropelido, para que esta fique independente do mesmo no momento da pulverização. O terceiro é a abertura da primeira parte das barras de forma automática, até o ponto predeterminado pela fábrica, através de sensores instalados nos pistões hidráulicos para que a barra sempre se encontre na posição transversal em relação ao chassi. E o último comando é a abertura da segunda parte da barra de forma manual.

Outro dispositivo de segurança presente na máquina é o botão de emergência para o piloto automático. Este botão é responsável pelo corte do envio de energia ao piloto automático, para que se evite a ativação do mesmo quando o autopropelido se encontrar fora do talhão de trabalho.

A troca de funções (pulverização, distribuição ou Ponte Verde) também é realizada através de acionamento eletro-hidráulico. Ao selecionar a função, ocorre a troca de telas no monitor Topper 5500 e este emite aviso ao operador. Todas as configurações de aplicação e utilização do Imperador 3.0 são definidas através do Topper 5500, plataforma desenvolvida em ambiente Android, o que permite personalização de funções e comandos, conforme preferência do operador.

A segunda parte do teste foi a operação do autopropelido na pista de teste de protótipos. Seguindo o percurso preestabelecido, observamos a estabilidade de barras, o conforto da cabine e a adequação do pulverizador ao terreno, com e sem o sistema de Sobe e Desce ativado.

Bomba de autoabastecimento

Testamos a transmissão hidrostática 4x4 com controle de tração na rampa presente na pista e observamos a marcante atuação dos módulos de controle do motor, ouvindo-se claramente a variação de rotação para se adequar às condições dinâmicas.

Também se realizou o teste de distribuição e pulverização, acompanhando no monitor Topper 5500 ao lado do console a velocidade de deslocamento, a marcha de trabalho, a velocidade (rotação) da turbina, a taxa de aplicação/distribuição de produto e o nível de depósito. Além disso, é possível observar as áreas onde já foi aplicado, as seções da barra de pulverização que estão ativas ou as comportas de distribuição ativas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A equipe do Laboratório de Agrotecnologia do Núcleo de Ensaios de Máquinas Agrícolas tem sido convidada para vários testes da Revista Cultivar. Cada um deles nos traz surpresas positivas, seja pela inovação, a diversidade de soluções e inclusive pelas condições de cada local em que esta avaliação é conduzida.

Avaliamos como muito positiva a experiência de testar este equipamento, pela sua variedade de funções e versatilidade. Porém, também foi positiva a visita ao ambiente Stara, que tem características especiais, sendo uma empresa local e com um sistema de produção em que os projetos e a maioria expressiva dos componentes são fabricados de forma autônoma. Quase todo o equipamento que testamos é montado com peças fabricadas pela Stara, inclusive os fundidos, que são produzidos na unidade de Carazinho, cidade vizinha de Não-Me-Toque.

Igualmente nos chamou a atenção a integração entre os diferentes setores da fábrica, como a parte industrial e de marketing, onde se nota que os projetos são desenvolvidos e os componentes fabricados por pessoas que convivem no mesmo ambiente. É raro encontrar-se empresas fabricantes de equipamentos agrícolas onde o software e o hardware são desenvolvidos junto aos setores de engenharia. Talvez este seja um dos segredos do sucesso desta empresa que cresce e orgulha toda uma região.

Equipe do Laboratório de Agrotecnologia da UFSM desenvolveu o teste

Quanto ao equipamento testado, vemos que esta opção de utilizar o veículo autopropelido para pulverização e distribuição é uma excelente alternativa contra o prejuízo provocado pelo amassamento das culturas em fases adiantadas de desenvolvimento. Pareceu-nos claro que a opção de um equipamento que realize várias funções não é indicada particularmente para grandes produtores dos estados do Centro-Oeste do País, mas que se encaixa perfeitamente para os casos daqueles produtores com tamanho intermediário de área, talvez entre 300 e 1.000 hectares.

Enfim, este autopropelido que agrega três diferentes funções certamente terá grande aceitação do mercado brasileiro,  pelos benefícios que proporciona ao possibilitar ao produtor a utilização de uma única máquina em diversas atividades. Mas, ao que tudo indica, um dos grandes diferenciais é o sistema de distribuição pneumático, chamado Ponte Verde, que vem ao encontro de uma tendência forte nas lavouras brasileiras de antecipar a semeadura de coberturas verdes, diminuindo as janelas entre safras.

 A Stara

Fundada em 1960, a Stara é uma empresa do ramo agrícola que atua em todo o território nacional, e mundialmente está presente nos cinco continentes exportando seus produtos para mais de 35 países. Tem sua sede localizada na cidade de Não-Me-Toque, no estado do Rio Grande do Sul, e conta com duas fábricas filiais localizadas em Carazinho (RS) e Santa Rosa (RS). Hoje, emprega mais de 2.500 trabalhadores distribuídos nos diversos setores das fábricas e filiais. Seu portfólio de produtos abrange as áreas de agricultura de precisão, carretas agrícolas, distribuidores, niveladores de solo, plainas agrícolas, plataforma de colhedora de milho, pulverizadores, subsoladores, plantadeiras, semeadoras, escarificadores e tratores, além de uma linha de lubrificantes e bicos de pulverização. Apresenta-se como uma empresa dinâmica e com vocação tecnológica, sempre em busca de inovações e tecnologias que atendam às necessidades dos produtores rurais e gerem aumento da produtividade e lucro na atividade. A empresa baseia sua produção em cinco valores: evolução constante, consciência da qualidade, valorização e respeito às pessoas, integridade com todos os públicos e simplicidade.


ver mais artigos

José Fernando Schlosser, Daniela Herzog e Giácomo Müller Negri

Laboratório de Agrotecnologia - Nema - UFSM

CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura