​Titãs do campo - Comparativo tratores de grande porte

As quatro maiores séries mundiais de tratores já estão presentes nos campos brasileiros, com opções que vão de 400cv a 700cv de potência e dotadas de níveis de tecnologia embarcada que proporcionam rentabilidade e eficiência incomparáveis

A partir do início da vigência do programa Mais Alimentos a média de potência do motor dos tratores vendidos no Brasil alterou sensivelmente. Uma tendência histórica de que a média de 75cv, constante desde o início dos anos 1980 subisse para aquela proporcionada pelos tratores de quatro cilindros equipados com turbocompressor, em torno de 100cv, alterou-se com este plano governamental. Por uma questão de adequação à linguagem utilizada no mercado de tratores, usaremos o cv (cavalo vapor) como unidade de potência em substituição ao W, do sistema internacional de unidades de medidas. Os tratores de quatro cilindros com aspiração natural voltaram a ocupar a maior parte da comercialização. No entanto, superado este efeito, desde o ano de 2010 tem havido um aumento na produção e da comercialização de tratores com potência máxima de motor superior aos 73,6kW (100cv) em comparação com o que se produzia e vendia em anos anteriores.

Mais que isto, nota-se um incremento na produção, importação e comercialização de modelos com potência superior aos 250cv, inclusive com oferta forte de modelos com potência máxima entre 500cv e 650cv. Estes tratores, com sua potência e porte, trazem de volta ao mercado a opção de tração dianteira integral, com articulação do chassi, como se utilizou em décadas passadas.

Esta tendência incentivou a Revista Cultivar Máquinas a organizar um comparativo entre os grandes tratores disponíveis no mercado brasileiro. Para isto trazemos informação da Linha Steiger da Case IH, da Série 9R da John Deere, da Série Challenger da AGCO e da série T9 da New Holland. Foram organizados três grupos por faixa de potência, comparando-se no primeiro grupo, dos maiores, entre 600cv e

700cv, os modelos Challenger MT 975C, com 639cv, John Deere 9560R, com 616cv, Steiger 550, com 614cv, e New Holland T9 – 670, com 669cv. No grupo de potência intermediária, entre 500cv e 600cv, comparamos os modelos Challenger MT 955C, com 533cv, John Deere 9460R, com 506cv, Steiger 450, com 497cv, e New Holland T9 – 505, de 502cv. No grupo dos menores, dentre estes gigantes, entre 400cv e 500cv, comparamos os modelos Challenger MT 945C com 481cv, John Deere 9460R com 451cv, Steiger 400 com 446cv, e New Holland T9 – 450, de 446cv. Para obter a informação consultamos material enviado pelos fabricantes. Esperamos que os nossos leitores gostem e aproveitem o nosso trabalho.

MOTORES

Os propulsores destes tratores gigantes permitem atingir potências de até 669cv, o que nos impressiona, pois na agricultura brasileira não é comum a utilização de tratores de potência desta magnitude, o que reflete desta forma uma nova tendência no setor agrícola brasileiro. É de ressaltar que a maioria destes modelos está direcionada às grandes áreas do Centro-Oeste e da nova fronteira agrícola brasileira, denominada de Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e norte da Bahia).

Os modelos da série 9R da John Deere contam com motores agrícolas da marca própria John Deere, modelo PSX de seis cilindros, de 13,5 litros de volume interno e sistema de alimentação Turbo Aftercooler, juntamente com um sistema eletrônico de injeção de combustível individual. Estes propulsores permitem que o maior modelo de sua série desenvolva em condições normais de operação uma potência máxima de 560cv com torque máximo de 2.528Nm a 1.600rpm, com reserva de torque de aproximadamente 38%, só possível com a injeção eletrônica de combustível. Quando ocorre sobrecarga, seu sistema eletrônico de injeção de combustível permite atingir uma potência suplementar de até 616cv. Outro diferencial do modelo é o sistema de controle de eficiência (Efficiency Manager) que, quando ativado, otimiza o consumo de combustível, pois elimina a necessidade do operador ajustar a rotação de trabalho ou a marcha correta, sendo que o sistema realiza esse ajuste automaticamente. Em operações leves os motores desta série contam também com o FieldCruise que ajusta a rotação máxima do motor para trabalhos em que a necessidade de potência é inferior à potência máxima do motor.

A New Holland apresenta a série T9, com modelos que variam na faixa de potência nominal de 405cv a 608cv a 2.200rpm. São dotados de motores com seis cilindros marca FPT ( Fiat Powertrain Tecnologies), modelo Cursor 13 com quatro válvulas por cilindro. Esse motor apresenta 12,88 litros de volume interno. O modelo T9 – 670 apresenta 2.100Nm de torque a 1.400rpm, com uma reserva de torque na ordem de 40% conforme informações fornecidas pelo fabricante. Os modelos desta série podem chegar a um incremento de até 10% na potência do motor em condições de sobrecarga da transmissão ou sistema hidráulico devido ao EPM (Gerenciamento da Potência do Motor), possibilitando ao maior trator da série atingir 669cv, em operações que demandem grandes potências na barra de tração.

Assim como nas séries anteriores, a AGCO apresenta a série Challenger com modelos dentro da série MT900C equipados como propulsores marca Caterpillar, modelos C15 Acert, com alimentação Turbo Aftercooler, desenvolvendo potência nominal numa faixa que vai de 446cv a 593cv com possibilidade de incremento de aproximadamente 8% na potência para todos os modelos desta série, devido ao seu controlador eletrônico de injeção de combustível. Um fator que chama atenção é a reserva de torque que, conforme o fabricante, chega a 42%, a 1.400rpm, importante quando esse realiza operações com sobrecargas momentâneas.

A Case IH apresenta na sua linha Steiger modelos importados equipados com motores marca FPT de 12,9 litros com um turbocompressor de estágio simples no modelo de 450cv e com um sistema de turbocompressor de dois estágios – um pequeno turbocompressor para resposta de baixa potência e um segundo, maior, para altas rotações, no modelo de 550cv. O motor eletrônico da linha Steiger é equipado com um sistema denominado Power Boost, que permite um incremento automático superior a 40cv, possibilitando alcançar no caso do modelo 550, 614cv de potência. Esta tecnologia fica evidente em situações extremas que exigem elevada demanda de potência, principalmente quando se junta demanda mecânica e hidráulica. Assim como a série T-9 da New Holland, o Steiger apresenta o sistema de gerenciamento automático de potência, possibilitando uma redução de até 14% no consumo de combustível, pela correta adequação da potência do motor à carga imposta à transmissão, ao sistema hidráulico ou à tomada de potência (TDP).

Todos os modelos comparados atendem ao menos ao Padrão Tier II, exigidopara os mercados europeu e norte-americano, embora no Brasil ainda não seja exigido o atendimento às normas de controle de poluentes. Estes fabricantes já estariam atendendo futuras normas de controle.

Com o objetivo de facilitar o entendimento, organizamos tabelas onde são apresentadas as principais características dos motores das quatro séries de tratores, sendo que foi analisado, dentro de cada série, o modelo de maior e menor potência, juntamente com o modelo que apresenta potência intermediária.

TRANSMISSÃO

No que diz respeito aos sistemas de transmissão disponíveis nos tratores agrícolas comparados, todos possuem caixas de câmbio do tipo hidromecânica. Essa transmissão faz com que não haja a necessidade do acionamento da embreagem para a realização das trocas de marchas.

O número de marchas varia entre os modelos, sendo que os tratores da Case IH e da New Holland possuem 16 marchas à frente e duas à ré. Os tratores da Challenger também têm 16 marchas à frente, porém quatro à ré. Já os modelos da série 9R da John Deere possuem 18 marchas à frente e seis à ré.

Os modelos Steiger 450 e Steiger 550, da Case IH, possuem caixa de velocidades denominada Powershift PS4 e Powershift PS6, respectivamente, ambos com reversor (Powershuttle). Possuem gerenciamento automático de produtividade APM (Automatic Productivity Management), que seleciona automaticamente a relação de transmissão (marcha) e a rotação do motor em função da carga da transmissão, do sistema hidráulico e da TDP, o que proporciona aumento de eficiência e redução do consumo de combustível.

A New Holland disponibiliza em seus modelos uma transmissão denominada Full Powershift modelo Ultra Command, além de possuir reversor integrado. O modo automático Intellishift faz com que o sistema gerencie a relação entre motor e transmissão quando se deseja manter uma velocidade de deslocamento constante, ou seja, o operador define a velocidade de trabalho, aciona o modo automático, e a transmissão fica com a função de alterar velocidade e marcha automaticamente.

Os quatro modelos da série 9R da John Deere são equipados com uma caixa de velocidades, denominada Full PowerShift. Esses tratores possuem um sistema de controle de eficiência, conhecido como Efficiency Manager. Através deste, o operador somente ajusta a velocidade de trabalho e o sistema gerencia a rotação do motor e as trocas de marchas de forma automática.

Os tratores Challenger contam com uma transmissão eletrônica do tipo Cat Powershift. Para a seleção da rotação do motor e relação de transmissão, possuem o modo automático, cujo funcionamento é semelhante ao utilizado por outros fabricantes, porém, denominado de Adem 4. Esse sistema funciona por meio de uma constante comunicação entre o motor, a transmissão e os módulos de controle eletrônico, elevando o desempenho do motor.

SISTEMA HIDRÁULICO CONTROLE REMOTO E TDP

Por suas características estes tratores que comparamos são utilizados, na maioria dos casos, com implementos que utilizam a barra de tração, mas também pode ser utilizado o sistema hidráulico de três pontos. Por esse

motivo na configuração destes tratores o sistema hidráulico, assim como a TDP, em alguns modelos, é apenas um item opcional.

Todos os modelos da série 9R da John Deere apresentam como opcional o sistema hidráulico de três pontos da categoria 3 e 4N, com uma capacidade de levantamento de 9.072kgf a 610mm do olhal. Os tratores desta série possuem cinco válvulas de controle remoto e uma vazão máxima da bomba hidráulica de 295 litros/minuto. Com relação à TDP, é do tipo independente e de acionamento eletro-hidráulico, muito comum em tratores desta faixa de potência. A rotação da TDP é de 1.000rpm e os modelos 9510R e 9560R vêm equipados com a TDP como standard, enquanto nos modelos 9410R e 9460R ela é opcional.

Os tratores New Holland, que são parte da série T9, vêm equipados no modo standard com sistema hidráulico de três pontos de categoria 3 e engate rápido. A capacidade de levante destes tratores é 9.071kgf a 610mm do olhal para os modelos T9 - 450, T9 - 505 e T9 - 560, enquanto nos modelos T9 - 615 e T9 - 670 a capacidade é de 9.071kgf. A vazão no controle remoto nesta série é de 428 litros/minuto e conta com cinco válvulas de controle hidráulico. Todos os modelos contam com TDP de 1.000rpm.

No caso dos modelos Steiger 450 e 550 da Case IH, o sistema hidráulico de três pontos e a TDP são opcionais, sendo, para ambos os modelos, o sistema hidráulico de três pontos da categoria 4N com capacidade máxima de levante de 8.900kgf. Diferentemente das outras marcas, a Case IH oferece seis válvulas de controle remoto como standard, sendo para os dois modelos 450 e 550 a vazão máxima da bomba de 216 litros/minuto ou como opcional 428 litros/minuto com bomba auxiliar. A tomada de potência é de 1.000rpm e de acionamento eletro-hidráulico.

Os tratores Challenger da série MT900C podem ser configurados com um sistema hidráulico de três pontos categoria 4 ou 3 e 4N, com capacidade de levantamento de 8.845kgf. Nesta série a vazão standard da bomba hidráulica é de 164,7 litros/minuto, tendo como opcional a vazão de 224,2 litros/minuto. A série MT 900C tem quatro válvulas de controle remoto, podendo ter, como opcional, até seis válvulas. A TDP nesta série é opcional, com acionamento eletro-hidráulico e de 1.000rpm.

ERGONOMIA

Em todos os tratores, por se tratar de modelos com tração integral, o posto de operação é bastante elevado, todos fechados com ótimas cabines e o atendimento a padrões de conforto e segurança previstos em normas internacionais e critérios norte-americanos e da comunidade europeia.


Na série 9R da John Deere temos uma cabine fechada Commandview com dois assentos, um principal, com suspensão a ar, possibilidade de giro e bloqueio que impede algumas funções se o operador não estiver sentado, e outro de acompanhante. Os comandos estão posicionados à direita do assento principal em um descansa-braço com controles integrados e com dois monitores com tela sensível ao toque. No primeiro, é possível ajustar quase tudo que o operador utiliza durante o trabalho, como ar-condicionado e luzes, e outro monitor que é o controle do sistema de agricultura de precisão GreenStar. Também na coluna do canto direito são apresentados as funções e

os parâmetros operacionais do trator. Atrás desta coluna está estrategicamente colocado o tubo de escape, para não prejudicar a visão do operador. A coluna de direção é ajustável por meio de uma rótula situada no painel dianteiro.

Na série Steiger da Case IH, a cabine de linha é baseada em blocos de borracha, totalmente climatizada e com um assento amortecido por câmara de ar, com assento auxiliar. A cabine reveste uma robusta estrutura de segurança contra o capotamento (EPCC). Os comandos estão localizados no lado direto, sobre um descansa-braço; à frente, está disposto um monitor do sistema AFS (Advanced Farm Systems) e na coluna frontal, à direita da cabine, um

painel de funções do motor, transmissão e o computador de bordo para o controle de todas as funções do trator. No monitor, se pode configurar e controlar as funções do sistema de agricultura de precisão e exportar os dados através de uma porta com entrada e saída USB. O reversor de sentido é uma pequena alavanca colocada acima da coluna da direção, de forma que somente por um toque, sem auxílio de embreagem, se pode inverter o sentido do movimento. Enfim, uma série de recursos que são quase obrigatórios nesta gama de potência.

Nos modelos T9 da New Holland a cabine é grande e totalmente envidraçada. Nota-se um esforço no projeto para a maior visibilidade. Dificilmente há obstáculos no campo de visão do operador. A tomada de ar do sistema de alimentação e o tubo de descarga estão escondidos atrás das colunas dianteiras da cabine. O assento também tem possibilidade de giro em até 40 graus. Como nos outros modelos comparados, ao lado direito do operador há um apoio de braço, com um console de suporte ao monitor IntelliView III. Neste monitor, sensível ao toque, é possível controlar todas as funções do trator em operação, inclusive alterar as configurações. Na lateral direita do apoio de braço há um painel integrado onde em um desenho do trator pode-se verificar e controlar algumas importantes funções de operação. Como é uma característica de modelos desta faixa é possível automatizar as manobras, por meio de programação.

Nos modelos Challenger da AGCO a impressão é de que o espaço da cabine é maior em comparação com os outros modelos comparados. O interior da cabine é todo em tons de cinza-escuro, com dois assentos, principal e acompanhante de material sintético antitranspirante. No lado direito do assento principal há um console onde foram colocados os comandos e controles de operação onde se destacam os de gerenciamento da potência do motor, os de controle do sistema hidráulico de três pontos e das válvulas de controle remoto. Na coluna direita, levemente atrás do operador, estão alguns comandos, e à frente do console um monitor colorido, sensível ao toque, padrão Isobus com 15 botões configuráveis. Este monitor pode ser utilizado tanto para a configuração do trator, motor, transmissão, sistema hidráulico, como também para a operação do piloto automático, inclusive com possibilidade de coleta e armazenamento de dados para gerenciamento.

RECURSOS TECNOLÓGICOS

Os tratores da série 9R saem de fábrica com sistema de gerenciamento agrícola (AMS), piloto automático AutoTrac com sinal SF2, monitor GS3 2630, sensível ao toque de 10,4", e receptor SF 3000. Este receptor utiliza sinais de satélite GPS e Glonass combinados, para conseguir uma melhor disponibilidade dos satélites e adquirir a melhor precisão possível, principalmente nas proximidades de locais abrigados. Outro diferencial é o sistema compensação de terreno, que ajusta automaticamente os erros de sinal provocados pela inclinação do terreno, realizando compensação horizontal, vertical e longitudinal. O piloto automático também apresenta um módulo opcional chamado iTEC Pro que controla totalmente o conjunto mecanizado nas operações de manobras nas cabeceiras.

Os tratores da série T9 da New Holland apresentam um piloto automático PLM Auto-guidence ready e computador de bordo Intelliview III. Estes tratores apresentam três possibilidades de direcionamento automático. O sistema DGPS normal, aberto e standard, em todos os modelos, possui precisão ao redor de 20cm. Através de assinatura, pode-se adquirir o pacote da Omnistar, podendo ser utilizado em duas opções: XP, com precisão de 7cm, e a HP para 5cm. A última opção compreende a utilização de antenas tipo RTK, com sistema VRS ou GPS permitindo chegar a 2,5cm de precisão em ambos os sistemas.

A Case IH proporciona nos modelos da série Steiger o sistema AFS que permite o gerenciamento das atividades através de um sistema de agricultura de precisão. A orientação automática se dá pelo AFS Guide que auxilia em todas as operações realizadas pelo trator, especialmente as que exigem elevada precisão, através da utilização do sistema de sinal RTK.

Os modelos da série MT900C da Challenger utilizam o sistema de direcionamento automático Auto-guide 3000, da AGCO, com receptor AGI-4. O piloto automático oferece, para tratores desta potência, dois níveis de precisão: decimétrico, 10cm de precisão na passada (através do uso do sinal de correção diferencial Omnistar), e o centimétrico, que por meio de sinal RTK consegue uma precisão de até 2,5cm entre uma passada e outra dos equipamentos.

TABELAS

Potência máxima do motor*

Modelos comparados

600cv a 700cv,

Challenger MT 975C (639cv), John Deere 9560R (616cv), Steiger 550 (614cv), New Holland T9 – 670 (669cv)

500cv a 600cv,

Challenger MT 955C (533cv), John Deere 9460R (506cv), Steiger 450 (497cv), New Holland T9 – 505 (502cv)

400cv a 500cv,

Challenger MT 945C (481cv), John Deere 9460R (451cv), Steiger 400 (446cv), New Holland T9 – 450 (446cv)

* Potência declarada pelos fabricantes.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (Faixa de potência entre 600cv e 700cv)

Característica dos motores

Modelo

Challenger MT 975C

John Deere 9560R

Steiger 550

New Holland T9 - 670

Marca

Cat C15 ACERT™

John Deere PSX

FPT

New Holland FPT Cursor 13™

Número cilindros

6

6

6

6

Número de Válvulas

24

24

24

Aspiração

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo intercooler

Volume do motor (L)

18,1

13,5

12,9

12,9

Potência Nominal (cv)

593

560

558

608

Potência Máxima (cv)

639

616

614

669

Rotação Potência Máx. (rpm)

1900

1900

2200

Torque Máx. (Nm)

2528

2611

2100

Rotação Torque Máx (rpm)

1400

1600

1500

1400

Norma de Ensaio

97/68EC

ISO 14396

Reserva de Torque (%)

42

38

40

40

Sistema de Injeção

MEUI - ADEM™

4 Full Electronic Control

Eletrônico-Unidade injetora individual

Common rail

Commomrail / Twin turbo

Tanque de Combustível (L)

1476

1325

1760

1817

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (Faixa de potência entre 500cv e 600 cv)

Característica dos motores

Modelo

Challenger MT 955C

John Deere 9460R

Steiger 450

New Holland T9 - 505

Marca

Cat C15 ACERT™

John Deere PSX

FPT

New Holland FPT Cursor 13™

Número cilindros

6

6

6

6

Número de Válvulas

24

24

24

Aspiração

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo intercooler

Volume do motor (L)

15,2

13,5

12,9

12,9

Potência Nominal (cv)

494

460

457

457

Potência Máxima (cv)

533

506

497

502

Rotação Potência Máx. (rpm)

1900

2100

2200

Torque Máx. (Nm)

2123

2136

1575

Rotação Torque Máx (rpm)

1400

1600

1400

1400

Norma de Ensaio

97/68EC

SO 14396

Reserva de Torque (%)

38

40

40

Sistema de Injeção

MEUI - ADEM™

4 Full Electronic Control

Eletrônico-Unidade injetora individual

Common rail

Eletrônica – Common rail

Tanque de Combustível (L)

1476

1325

1200

1230

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (Faixa de potência entre 400cv e 500cv)

Característica dos motores

Modelo

Challenger MT 945C

John Deere 9460R

Steiger 400

New Holland T9 - 450

Marca

Cat C15 ACERT™

John Deere PSX

FPT

New Holland FPT Cursor 13™

Número cilindros

6

6

6

6

Número de Válvulas

24

24

24

Aspiração

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo Aftercoolerar-ar

Turbo intercooler

Volume do motor (L)

15,2

13,5

12,9

12,9

Potência Nominal (cv)

446

410

406

405

Potência Máxima (cv)

481

451

446

446

Rotação Potência Máx. (rpm)

1900

2100

2200

Torque Máx. (Nm)

1892

1899

1400

Rotação Torque Máx (rpm)

1400

1600

1400

1400

Norma de Ensaio

97/68EC

ISO 14396

Reserva de Torque (%)

42

38

40

40

Sistema de Injeção

MEUI - ADEM™

4 Full Electronic Control

Eletrônico-Unidade injetora individual

Common rail

Eletrônica – Common rail

Tanque de Combustível (L)

1476

1325

1200

1230



Tipo de Transmissão e Marchas

Série

Challenger MT

John Deere 9R

Steiger

New Holland T9

Nome transmissão

Cat Powershift com ADEM™ 4

Full PowerShift com Efficiency Manager

Powershift PS4 e PS6 com Automatic Productivity Management

Full Powershift Ultra Command™ com Intellishift™

N° de marchas

16 à frente e 4 à ré

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura