Tratamento de sementes de algodão

Utilizar sementes de qualidade e tratá-las com fungicidas é medida indispensável para garantir bons resultados no cultivo de algodoeiro. De fácil execução esta ferramenta é relativamente barata quando avaliados os benefícios que proporciona aos cotonicultores, como prevenir a infestação ou reinfestação de áreas com doenças que limitam a cultura.

A cotonicultura brasileira apresenta-se atualmente com um novo modelo produtivo, em que são utilizados altas tecnologias, investimento em qualidade de fibra e semeadura em extensas áreas. Esse modelo produtivo tem sido empregado nas diversas regiões produtoras de algodão do país. No entanto, apesar dessa revolução tecnológica, a cotonicultura passa por problemas fitossanitários sérios de relevância econômica, principalmente quando se trata da qualidade das sementes de algodoeiro. Portanto, é importante que os cotonicultores conheçam a procedência do material a ser utilizado na propriedade e também procurem adquirir os lotes de sementes de produtores/empresas idôneos, pois sua qualidade sanitária é fundamental no estabelecimento da lavoura. O uso de sementes sadias e/ou tratadas com fungicidas torna-se necessário e indispensável para o controle adequado de inúmeras doenças, cujos agentes causais são transmitidos por sementes. A utilização de sementes tratadas com fungicidas é considerada o meio mais econômico e seguro para controlar os patógenos que são transmitidos por sementes, proporcionando o menor uso de defensivos na lavoura. Os fungos são os principais agentes fitopatogênicos que podem associar-se às sementes de algodoeiro, os quais, se não controlados, podem causar redução de rendimento da lavoura e prejuízos econômicos ao produtor, seja na fase inicial e/ou durante o ciclo da cultura no campo.

Os principais agentes etiológicos da parte aérea que podem estar associados às sementes de algodoeiro são Alternaria spp., Ascochyta gossypii, Colletotrichum gossypii, Colletrotrichum gossypii South var. cephalosporioides Costa, Corynespora cassiicola, Lasiodiplodia theobromae, Myrothecium roridum, Sclerotinia sclerotiorum, Sclerotium rolfsii e a bactéria Xanthomonas axonopodis pv. malvacearum. Os agentes etiológicos presentes no solo que afetam as raízes e o sistema vascular da planta e são transmitidos por sementes são Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum, Fusarium sp., Macrophomina phaseolina, Rhizoctonia solani, Verticillium albo-atrum e Verticillium dahliae. Existem também organismos que causam deterioração das sementes em armazenamento que são veiculados às sementes de algodoeiro, como exemplos, Aspergillus flavus, Aspergillus glaucus, Aspergillus candidus, Aspergillus ochraceus e também várias espécies de Penicillium. Esses fungos podem ser transportados em mistura com as sementes, como parte da fração impura do lote, destacando-se principalmente os escleródios de Sclerotinia sclerotiorum, ou também estar presentes no interior das sementes, como  por exemplo as espécies pertencentes aos gêneros Fusarium e Colletotrichum.

A importância e os objetivos de controlar os patógenos nas sementes de algodoeiro com a utilização de fungicidas registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Tabela 1) antes da implantação da lavoura ou da semeadura no campo são erradicar ou reduzir, aos mais baixos níveis possíveis, os fungos presentes nas sementes; proporcionar proteção às sementes e plântulas contra fungos de solo; prevenir a transmissão e disseminação de inóculo por meio de sementes e promover a uniformidade na germinação e na emergência das plântulas de algodoeiro. Esses fungicidas, no entanto, devem ser tóxicos aos patógenos e não podem ter ação tóxica às sementes.

O tratamento de sementes é uma das principais medidas para o controle integrado de doenças. Estudos recentes, conduzidos em diferentes regiões do país, têm demonstrado que os fungicidas atualmente disponíveis para tratamento de sementes de algodoeiro (pertencentes ao grupo dos protetores e dos sistêmicos) têm controlado de forma variável o complexo de fungos associados às sementes desta cultura. Os mais utilizados são aqueles com ingrediente ativo à base de captana, tiram, carboxina, carbendazim, fludioxonil, metalaxil, triadimenol, pencicurom, tiofanato metílico, azoxistrobina, flutriafol, difeconazol, quintozeno e procimidona. A combinação de dois ou três fungicidas sistêmicos com protetores, em que cada produto é efetivo contra um fungo específico, tem proporcionado maior espectro de ação no controle destes fungos nas sementes e no solo, em comparação ao uso isolado de um determinado fungicida. Estratégia eficaz no controle de maior número de patógenos presentes nas sementes e/ou no solo tem sido a combinação de fungicidas com diferentes espectros de ação, além de evitar, em grande parte, o surgimento de populações resistentes entre os patógenos e garantir um estande ideal de plantas, em diversas situações. Portanto, o tratamento das sementes com fungicidas tem sido, até o momento, a principal medida adotada e a opção mais econômica para minimizar os efeitos negativos dos patógenos que são veiculados por sementes. Trata-se de uma medida de fácil execução, relativamente barata quando avaliada a relação custo/benefício e que vem ao encontro da necessidade de se racionalizar o uso de produtos químicos na agricultura. Dessa maneira, em função do seu baixo custo e em vista dos benefícios que proporciona, é imprescindível a sua utilização. Julga-se oportuno salientar que, principalmente quando se trata de algodoeiro, o tratamento de sementes com fungicidas faz-se necessário e até mesmo indispensável, evitando-se a infestação ou reinfestação de áreas com doenças.


Patógeno

 

Ingrediente Ativo (grupo químico)

Dose do produto comercial (p.c)

Aspergillus spp.

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500g/100kg sementes

 

 

Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

350ml/100kg sementes

 

 

 

 

Colletotrichum gossypii

 

Captana (dicarboximida)

350ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol) + Tiram (dimetilditiocarbamato) 

600ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

240-300g/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

 

 

Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

350ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

160g/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

100ml/100kg sementes

 

 

Tiofanato-metílico (benzimidazol)

300ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

100ml/100kg sementes

 

 

Azoxistrobina (estrobilurina) + fludioxonil (fenilpirrol) + metalaxil – M (acilalaninato)       

300ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500g/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500ml/100kg sementes

 

 

 

 

Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum

 

Carbendazim (benzimidazol)

100ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

100ml/100kg sementes

 

 

Azoxistrobina (estrobilurina) + fludioxonil (fenilpirrol) + metalaxil – M (acilalaninato)       

100-300ml/100kg sementes

 

 

Flutriafol (triazol)

150ml/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500ml/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

500g/100kg sementes

 

 

 

 

Lasiodiplodia theobromae

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol)

80ml/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato

400-500ml/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato

400-500g/100kg sementes

 

 

 

 

 

 

 

 

Penicillium spp.

 

Captana (dicarboximida)

350ml/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500g/100kg sementes

 

 

 Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500ml/100kg sementes

 

 

 

 

Rhizoctonia solani

 

Triadimenol (triazol)

200ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

350ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

220g /100kg sementes

 

 

Carbendazim (benzimidazol) + Tiram (dimetilditiocarbamato) 

600ml/100kg sementes

 

 

Azoxistrobina (estrobilurina) + fludioxonil (fenilpirrol) + metalaxil – M (acilalaninato)       

200-300ml/100kg sementes

 

 

Fludioxonil (fenilpirrol)

200ml/100kg sementes

 

 

Pencicurom (feniluréia)

300ml/100kg sementes

 

 

Captana (dicarboximida)

240-300g/100kg sementes

 

 

Tiram (dimetilditiocarbamato) 

560ml/100kg sementes

 

 

Tiram (dimetilditiocarbamato) 

560ml/100kg sementes

 

 

Difeconazol (triazol)

33,4ml/100kg sementes

 

 

Procimidona (dicarboximida)

150-300g/100kg sementes

 

 

Quintozeno (cloroaromático)

300-600g/100kg sementes

 

 

Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

500g/100kg sementes

 

 

Carboxina (carboxanilida) + tiram (dimetilditiocarbamato) 

400-500ml/100kg sementes

Sementes escuras = não tratadas com fungicidas
Sementes escuras = não tratadas com fungicidas.
Sementes azuis = Tratadas com fungicidas. Coloração azul devido ao tratamento com o produto Permit: recomendado para proteção das sementes de algodão contra ação fitotóxica do herbicida clomazone (Gamit e Gamit 360 CS).
Sementes azuis = Tratadas com fungicidas. Coloração azul devido ao tratamento com o produto Permit: recomendado para proteção das sementes de algodão contra ação fitotóxica do herbicida clomazone (Gamit e Gamit 360 CS).



Luiz Gonzaga Chitarra, Embrapa Algodão; Gilma Silva Chitarra, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) – Campus Sinop


Artigo publicado na edição 196 da Cultivar Grandes Culturas. 

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura