Uso adequado de óleos lubrificantes em máquinas agrícolas

Na hora de realizar a troca do óleo do sistema hidráulico é necessário prestar atenção para não utilizar produtos com características indesejadas e que coloquem em risco os equipamentos.

O óleo hidráulico, também chamado de fluido hidráulico, é uma substância que se insere entre as superfícies em movimento, produzindo uma película que reduz o desgaste dos componentes e a geração de calor. Também pode ser utilizado como um meio de transmissão de energia em maquinário hidráulico, tendo como funções atuar como um elemento que transmite potência; agir como uma película de adequada resistência para reduzir o atrito e minimizar o desgaste entre as partes móveis e funcionar como um selo impedindo a entrada de ar no sistema.

Os fluidos hidráulicos são compostos de substâncias sintéticas, óleo mineral, água e misturas baseadas em soluções e emulsões aquosas. Sua característica mais importante é a baixa compressibilidade, ou seja, quando submetido à pressão externa tem baixa redução de volume.

Durante a operação do sistema hidráulico a bomba pressuriza o sistema, fazendo com que o óleo aumente de temperatura em função das perdas de carga que são convertidas em calor. Isto ocorre, basicamente, devido ao atrito entre o fluido e as paredes da tubulação, bem como com o próprio fluido.

CARACTERÍSTICAS

Para sistemas hidráulicos algumas características dos óleos são fundamentais ao adequado funcionamento do sistema, como viscosidade, resistência à solicitação térmica, resistência à oxidação, propriedade antiferrugem, demulsibilidade, resistência à formação de espuma, baixa compressibilidade, baixa filtragem e baixa toxidade.

A viscosidade é a mais importante propriedade de um óleo hidráulico, pois atua na eficiência do sistema. Isso porque afeta diretamente o componente mais importante que é a bomba hidráulica e suas condições operacionais. Desta forma, a classificação ISO é a utilizada para atender aos requisitos de viscosidade estabelecidos pelos diversos fabricantes destas. A lubrificação da bomba hidráulica é o que determina a seleção da viscosidade do óleo hidráulico.

Para manter a vida útil dos óleos hidráulicos é importante que estes trabalhem com temperaturas em torno de 80ºC, por isso é importante a propriedade de resistência à solicitação térmica. O aquecimento e o resfriamento de forma sucessiva fazem com que haja uma redução da vida útil deste. Para boa condutibilidade térmica o calor gerado no sistema hidráulico deverá ser transportado para o reservatório pelo fluido e este calor deverá ser irradiado das tubulações e do reservatório parcialmente para o ambiente. Não ocorrendo o resfriamento necessário, equipam-se os sistemas com mecanismos trocadores de calor.

Quando recomendados para operar por longos períodos de tempo sobre severas condições, é fundamental que os óleos hidráulicos possuam estabilidade à oxidação. Daí a importância da propriedade de resistência à oxidação. A deterioração do óleo pode ocorrer devido ao calor proveniente da agitação e da turbulência, provocando a formação de óxidos, vernizes e lacas. A oxidação pode ser retardada com um óleo básico bem refinado e tratado, permitindo ao sistema hidráulico funcionar isento de formação de depósitos. Já a maior causadora da corrosão é a umidade. Esta pode ser evitada através de inibidores de ferrugem presentes em óleos hidráulicos de boa qualidade.

Quando o óleo é contaminado com a água, resultante de vazamentos nos resfriadores do óleo e mais comumente da condensação da umidade atmosférica, pode causar problemas ao sistema hidráulico. Por isso, o óleo deve possuir boa demulsibilidade, ou seja, capacidade de separar a água do óleo, de forma rápida e eficiente.

A espuma é composta por bolhas de ar envolvidas em uma película de óleo. As bolhas se formam no reservatório e se deslocam através da bomba de sucção. O ar irá rapidamente para a superfície se o óleo possuir boa resistência à formação de espuma e o reservatório for adequadamente projetado.

A característica de baixa compressibilidade de um óleo hidráulico ajuda a diminuir o ar solúvel (bolhas de ar) transportado no óleo hidráulico, que influencia na precisão dos acionamentos hidráulicos, modificando os tempos de resposta.

Permanentemente o óleo é filtrado tanto na entrada como na saída do sistema, durante a operação. Logo, o tamanho dos filtros e o material com o qual a malha do filtro é confeccionada devem ser observados, para assim manter o óleo livre de partículas. Por fim, uma característica também importante é a baixa toxidade, item que deve ser conferido nas especificações fornecidas pelo fabricante do produto.

O óleo ideal é aquele que serve para todos os tipos de sistemas hidráulicos, sob diferentes condições de trabalho.
O óleo ideal é aquele que serve para todos os tipos de sistemas hidráulicos, sob diferentes condições de trabalho.

PRINCIPAIS FLUIDOS HIDRÁULICOS

Os principais fluidos utilizados no sistema hidráulico são os óleos minerais, óleos solúveis, fluidos sintéticos e fluidos não inflamáveis.

Os óleos minerais representam mais de 90% dos fluidos hidráulicos usados mundialmente. Para produzir um bom fluido hidráulico, de base mineral, são utilizados óleos básicos parafínicos, altamente refinados e com aditivos como antidesgaste, antiferruginoso, antiespumante, abaixadores de ponto de fluidez e antioxidantes.

Os óleos solúveis são utilizados para aplicações em sistemas leves, podendo a água ser utilizada como fluido hidráulico. Como a água não tem propriedades lubrificantes, utiliza-se o óleo solúvel como proteção contra a ferrugem, em uma concentração de 2% a 3%. Este tipo de fluido hidráulico apenas poderá ser utilizado em temperaturas próximas a 50ºC, sistemas não críticos e equipamentos produzidos para operar com este tipo de fluido.

Já os fluidos sintéticos são compostos químicos como ésteres, silicones e aromáticos de elevado peso molecular.

Os fluidos não inflamáveis são as emulsões de óleo em água, de glicol em água ou os fluidos sintéticos à base de ésteres e polialfaelefina. Esse tipo de fluido dificilmente entra em ignição (combustão). Por exemplo: numa solução invertida com 40% de óleo, quando a água evaporar o óleo resultante poderá pegar fogo.

O óleo hidráulico atua como um elemento que transmite potência.
O óleo hidráulico atua como um elemento que transmite potência.

Classificação para óleos hidráulicos

Os óleos hidráulicos possuem duas classificações: ISO e DIN. A classificação ISO (International Standards Organization) se baseia apenas na viscosidade do óleo lubrificante, desconsiderando o seu uso. O grau ISO indica que a viscosidade do óleo pode variar até 10% acima ou abaixo daquele valor. Como exemplo, o óleo ISO VG 68 pode apresentar viscosidade de 61,2 a 74,8 centistokes (cSt). Quanto mais alto o número, mais grosso ou viscoso é o óleo.

Já a classificação DIN baseia-se na qualidade do óleo mineral, de maneira que as duas se complementam. (ver Tabelas 1 e 2)

A ESCOLHA DO ÓLEO HIDRÁULICO

Para escolher um óleo hidráulico devemos, primeiramente, conferir o manual do equipamento. Nele está especificado qual o tipo de óleo que deve ser utilizado e a sua viscosidade. Caso esta informação não esteja disponível, deve-se verificar se o sistema hidráulico requer fluido resistente ao fogo. Se ele não for necessário é recomendado utilizar um óleo mineral. O fluido ideal é aquele que serve para todos os tipos de sistemas hidráulicos, sob diferentes condições de trabalho. Ao adquirir óleo hidráulico busque conhecer o fabricante, que este seja reconhecido no mercado e que o fornecedor seja de sua confiança. A seguir, são listados alguns cuidados para realizar a adequada escolha e o bom manejo dos óleos hidráulicos.

É importante manter as válvulas protegidas para evitar a contaminação.
É importante manter as válvulas protegidas para evitar a contaminação.

CUIDADOS AO ESCOLHER

Na hora de escolher é necessário prestar atenção em algumas informações. Não se deve priorizar o custo ao escolher um óleo hidráulico. Ao optar pelo óleo mais barato, as despesas operacionais do equipamento poderão aumentar e a vida útil diminuir. Menos de 3% do custo operacional da maioria dos equipamentos industriais é representado pelo óleo hidráulico.

A manutenção do fluido hidráulico é imprescindível para manter a qualidade da operação. Cerca de 80% das falhas em sistemas hidráulicos são causadas devido à contaminação por água e sedimentos.

Deve-se sempre armazenar em local apropriado: fechado, seguro, bem ventilado (sem oscilação térmica significativa), seco, sobre estrados ou pallets, devidamente identificado e sem acesso de crianças e animais. O óleo deve ser conservado dentro do recipiente original e identificado. Caso necessite de volumes menores, utilize recipientes apropriados e livres de resíduos e outras impurezas. O recipiente deve ser fechado para que a sujeira não se misture ao óleo.

Tome cuidado também para não misturar fluidos hidráulicos de fabricantes diferentes, pois podem ocorrer danos ao sistema hidráulico. Por isso é importante sempre utilizar óleos hidráulicos conforme orientação do fabricante, respeitando os intervalos de troca recomendados. Também limpe e ou substitua os filtros conforme recomendações dos fabricantes.

Ao revisar o sistema hidráulico durante o trabalho, lembre-se que estes, normalmente, estão em temperatura elevada podendo causar graves queimaduras. Mantenha distância segura de uma máquina em funcionamento para evitar possíveis acidentes com a ruptura de uma mangueira de alta pressão.

Ao reabastecer o sistema hidráulico, fique atento com a limpeza do local e mantenha a máquina nivelada para não realizar uma leitura errada do nível. E sempre que for manipular óleos hidráulicos tenha cautela, pois estes são agentes contaminadores do meio ambiente e de grande impacto. 


Eliana Andreia Vogt, Valmir Werner, Catize Brandelero, Marcelo Alberto Hilgert, Jaqueline Ottonelli, Mecaniza/Nema/CCR - UFSM


Artigo publicado na edição 168 da Cultivar Máquinas

ver mais artigos
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura