Controle rigoroso da pinta preta em citros

  • Página 23 |
  • Ago 2021 |
  • Geraldo J. Silva Junior, Fundecitrus; Mario Roberto Moraes, MasterCitrus / Consultor e Citricultor

Como evitar os danos à produção de citros através do manejo correto da pinta preta, uma das doenças mais importantes e causadoras de prejuízos nos pomares, que não tolera erros.

 

A pinta preta dos citros, causada pelo fungo Phyllosticta citricarpa, é uma das doenças mais importantes da citricultura brasileira e mundial e tem afetado frutos de diferentes variedades de laranja, limão e tangerina. No Brasil, as maiores intensidades de sintomas da doença e de queda prematura de frutos são observadas em variedades de maturação tardia, tais como as laranjas doces Valência e Natal. Pomares dessas variedades, quando não pulverizados, apresentam queda prematura média de aproximadamente 50% dos frutos (Figura 1).

O manejo da pinta preta é realizado durante as diferentes fases de desenvolvimento dos frutos. O principal método de manejo é o controle químico por meio de aplicações de fungicidas (cobre e estrobilurina) desde a fase de queda de pétalas, geralmente em setembro/outubro, até o fim do período chuvoso, em março/abril. Além do uso de fungicidas, há outras medidas de manejo importantes que ajudam a controlar a doença, tais como: plantio de mudas certificadas produzidas em viveiros protegidos, nutrição das plantas e manutenção da sanidade do pomar, restrição à entrada de veículos e equipamentos com restos vegetais, colheita de frutos doentes da safra anterior antes do início da florada, remoção, cobertura ou aumento da decomposição das folhas de citros caídas no pomar, poda de ramos secos, uso da irrigação e antecipação da colheita em pomares severamente afetados.

Seja assinante e leia a matéria na íntegra

Edição Anterior
Próxima Edição
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura