Qual o pH adequado da água na aplicação de defensivos

  • Página 33 |
  • Jul 2020 |
  • Sérgio Rufino Maciel, Francisco Faggion, Tiago Pereira da Silva Correia e Victória Linhares

Sabe-se que o custo de uma lavoura com a aplicação de agroquímicos ou defensivos agrícolas varia de 20% a 30%. A melhoria da eficiência da aplicação pode reduzir o volume de defensivos utilizados em até 40%. É possível obter esse cenário através de conhecimentos em tecnologia de aplicação, o que, além de prover benefícios econômicos, contribui para a segurança ambiental.

Diversos fatores influenciam na qualidade das aplicações e eficácia dos defensivos agrícolas no controle dos agentes nocivos. Dentre as condições ambientais citam-se a temperatura, a radiação solar, a luminosidade, a velocidade do vento e umidade relativa do ar, a umidade do solo e chuva antes, durante e após a aplicação; fatores atribuídos à operação propriamente dita como regulagem e calibração do pulverizador, velocidade de aplicação, pontas de pulverização, tecnologia embarcada, características físico-químicas da água e mistura da calda de pulverização; e fatores relacionados ao alvo biológico como arquitetura de plantas, estágio de desenvolvimento da cultura, mobilidade do produto na planta, hábitos do agente nocivo e parte da planta a ser tratada.

Para a diluição dos defensivos agrícolas e composição da calda de pulverização, normalmente utiliza-se água. Quando há inadequação da sua qualidade físico-química a eficácia do controle é afetada, estando associada principalmente a condição de elevado conteúdo de minerais (água dura) e calda com pH alcalino (acima de sete). Além disso, a presença ou ausência de substâncias químicas, tais como cálcio, cloro, enxofre e magnésio, bem como de elementos em suspensão, a exemplo de argila, areia e matéria orgânica, pode comprometer severamente a eficiência da aplicação e eficácia do controle.

O pH da calda de pulverização possui alta relevância na eficácia do controle de pragas e doenças por defensivos agrícolas
O pH da calda de pulverização possui alta relevância na eficácia do controle de pragas e doenças por defensivos agrícolas

Nesse contexto, o pH da água merece destaque, pois quando inadequado, pode não preservar a integridade dos defensivos e reduzir a atividade de vários princípios ativos. Muito conhecido, o pH define o grau de acidez ou alcalinidade de uma solução em uma escala de 0 a 14, onde 7 significa neutralidade, isto é, mesma quantidade de hidrogênio e hidroxila.

A maioria dos produtos formulados é mais eficiente numa determinada faixa de pH da calda. De modo geral, os defensivos apresentam maior eficiência quando em caldas com pH levemente ácido, variando de 5 a 6. A utilização de caldas com distância muito ampla entre a melhor faixa de ação e a utilizada afeta a estabilidade dos ingredientes ativos no campo e pode tornar o controle ineficaz.

Dificilmente são utilizadas caldas com pH inferior a 3,5, pois abaixo deste valor poderá ocorrer dissociação iônica e precipitação do produto. Neste caso, há a redução da solubilidade e a segregação da solução, o que concentra o produto numa parte e a água em outra, tendo como consequência calda e aplicação não homogêneas. Neste caso, uma parte da área aplicada pode ficar sem controle e em outra, quando o equipamento aplicar o produto segregado concentrado, pode ocorrer fitotoxicidade nas plantas.

Quando há a necessidade de baixar o pH da água, a correção pode ser feita pela adição de um ácido fraco ou de um ácido forte diluído. De forma prática, os agricultores podem utilizar sumo de limão, vinagre ou ácido fosfórico diluído. Outras substâncias ácidas como ácido muriático, cítrico, acético-vinagre, sulfatos etc. também podem ser usadas. Além disso, existem produtos comerciais com esta finalidade.

A utilização de sumos ácidos como o de limão para o ajuste da calda exige aferições do pH a cada preparo, pois o pH varia com a cultivar de limão utilizada, com o grau de amadurecimento e com o teor de água no fruto. Já o uso do vinagre ou ácido fosfórico é facilitado devido a esses produtos terem uma ação acidificante conhecida.

Para exemplificar, o pH normalmente encontrado nas águas da região de Brasília (DF) varia entre 5 e 7. Normalmente as águas de superfície são mais próximas do neutro, variando de 6,5 a 7, já as águas do subsolo, provenientes dos poços tubulares (artesianos), variam de 5 a 7.

Poucas regiões no País possuem águas com pH elevado, acima de 7. Neste caso, elas contêm altos teores de bicarbonatos, sulfatos, cloretos e nitratos de cálcio e magnésio. Raras regiões possuem águas minerais e alcalinas, onde o pH pode atingir níveis superiores a 9. Neste caso, muitos defensivos agrícolas reduzem drasticamente a meia-vida hidrolítica, que é o tempo necessário para que 50% do produto deixe de ser efetivo.

Para o ajuste recomenda-se a medição do pH em duas épocas do ano, no período seco (inverno) e no chuvoso (verão), pois chuvas e enxurradas alteram as características físico-químicas da água. Desta maneira é possível obter a média de pH de cada época, em cada propriedade e, melhor ainda, em cada fonte de água a ser utilizada na pulverização. A partir da medição determina-se a quantidade necessária de ácido a ser adicionada para a correção do pH.

A aferição do pH da água pode ser realizada utilizando-se kits de teste rápido por reagente vermelho fenol, aparelhos pHmetro portáteis e até mesmo papel sensível. Outra maneira menos prática para o produtor rural é fazer a titulação em laboratório e determinar a concentração necessária de determinado produto para atingir o pH desejado. Independentemente do método, sugere-se que o agricultor faça a medição do pH sempre que adicionar uma quantidade do corretivo em 20 a 50 litros de água, para que este não ultrapasse o valor desejado. Ressalta-se que o ajuste deve ser realizado de forma cautelosa, especialmente quando são utilizados ácidos fortes e com risco à saúde humana.

Após descobrir a quantidade de ácido necessária, completa-se a quantidade do tanque do pulverizador até a metade, adiciona-se o redutor de pH e o defensivo agrícola e, por fim, completa-se a quantidade do tanque com água até a sua capacidade máxima.

Para praticidade e informação ao produtor, na Tabela 1 são apresentados alguns defensivos agrícolas, com seus respectivos ingredientes ativos e o pH ideal da calda de pulverização.

Como mostrado, o pH da calda de pulverização possui alta relevância na eficácia do controle de pragas e doenças por defensivos agrícolas. Desta forma, recomenda-se o ajuste do pH da calda de acordo com o ideal de cada produto de forma a melhorar a sua eficácia e diminuir o volume aplicado.

Ainda são restritas as informações sobre o tema, sendo necessários mais estudos e divulgação de dados, especialmente nas bulas dos defensivos agrícolas e por profissionais da área, para que os agricultores tenham as informações necessárias a fim de melhorar as aplicações.

Sérgio Rufino Maciel,
Emater, DF
Francisco Faggion
Tiago Pereira da Silva Correia
Victória Linhares,
UnB

Edição Anterior
  • N 206

    Jul 2016

    Luta árdua contra o Amaranthus palmeri

Próxima Edição
  • N 208

    Set 2016

    Mudança de sensibilidade - Ferrugem asiática

CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura