Vetor de doenças

  • Página 12 |
  • Fev 2019 |
  • Ivênio Rubens de Oliveira, Embrapa Milho e Sorgo

Manejo de plantas tigueras, tratamento de sementes com inseticidas e plantio de cultivares resistentes e/ou tolerantes estão entre as principais medidas de controle contra a cigarrinha-do-milho, praga transmissora de enfezamentos e vírus da risca.

Nos últimos anos, mudanças significativas têm ocorrido no cenário da produção de milho no Brasil (IBGE, 2018). Duas das principais alterações residem no uso da transgenia Bt para o controle de lagartas e a afirmação da safrinha (segunda safra) como a principal para a cultura do milho na maior parte das regiões produtoras. Estas mudanças trouxeram efeitos diretos e indiretos sobre a ocorrência e o manejo dos principais insetos-pragas para a cultura. Como a principal praga era e continua sendo a lagarta-do-cartucho, Spodoptera frugiperda, as cultivares de milho Bt funcionaram muito bem para o seu controle. Os produtores se viram em uma situação favorável em que não havia a necessidade de preocuparem-se com aplicações de inseticidas para o controle de pragas na cultura do milho.

No entanto, o milho Bt representa tecnologia que controla lagartas, mas e o controle das outras pragas que também podem ocorrer na lavoura durante o ciclo da cultura? À primeira vista, não se mostraram tão importantes, por isso eram chamadas de secundárias. Isso não quer dizer que já não existissem, somente não causavam prejuízos tão significativos quanto a lagarta-do-cartucho. Há, aqui, um fator importante que foi desconsiderado. Quando se pulverizavam inseticidas para o controle de S. frugiperda, indiretamente, outras pragas também eram controladas. Contudo pragas não controladas pelas tecnologias Bt, naturalmente, foram beneficiadas e ganharam espaço para se desenvolverem na cultura do milho.

Seja assinante e leia a matéria na íntegra

Matérias da Edição:
  1. Página 15

    Safrinha maiúscula

  2. Página 20

    Gigantes da soja

  3. Página 24

    Arranjo lucrativo

  4. Página 28

    Na hora certa

  5. Página 38

    Controle eficaz

  6. Página 40

    Mudas irrigadas

Edição Anterior
  • N 236

    Jan 2019

    Especial 2018: Manejo vencedor

Próxima Edição