NOTÍCIAS

Agricultoras veem produtividade aumentar após investirem em práticas sustentáveis

Investir em práticas mais sustentáveis e combiná-las com inovação pode ser uma saída para aqueles que almejam uma alta na produtividade, independente do cultivo. E foi justamente seguindo este pensamento que Simoni Tessaro e Kamila Laida, vencedoras do Prêmio Mulheres do Agro em 2020, conseguiram se destacar em suas regiões.

Após herdar o Sítio Santa Mônica de seu pai, Simoni, que produz soja, milho e aves, em Serranópolis do Iguaçu (PR), notou que seria necessário realizar ajustes na gestão da sua fazenda, caso quisesse produzir mais e fazer com que a propriedade se tornasse sua fonte de renda principal. "Nós passamos a realizar correção de solo e a tratá-lo com adubo orgânico, fizemos o plantio direto e rotação de cultura", explica Tessaro. O resultado foi o aumento de aproximadamente 112%, em média, na quantidade de sacas de soja colhidas.

"Notamos que os demais produtores da região colhiam aproximadamente 130 sacas de soja por alqueire, enquanto nós estávamos colhendo apenas 80 sacas. Com isso, concluímos que alguns investimentos precisavam ser feitos e, hoje, produzimos como qualquer outra propriedade, tudo graças a adesão de práticas mais sustentáveis e tecnológicas", conta Simoni.

Já Kamila, atualmente, é produtora de pecuária bovina, suínos e responsável pela venda de maravalha de eucalipto no Grupo Guimarães Aguiar, em Rio Verde (GO). Na coordenação da propriedade, ela optou por mudar o destino dos dejetos de sua granja e passou a transformá-los em adubos de pastagem. A consequência desta alteração foi uma alta nos nutrientes do pasto, dando, assim, um maior suporte aos animais e tornando possível aumentar a quantidade de Unidade de Animais (equivalente a 450kg por unidade) de 2 para 8 por hectare.

"Com a adubação orgânica, meus animais ficam bem assistidos, ou seja, eu dou mais nutrientes para a planta e, consequentemente, isso é revertido em produtividade da fazenda, com mais unidade animal por hectare", comenta Kamila. Além de permitir que ela tenha um número maior de animais por área, a produtora ainda afirma que o destino correto dos dejetos a permite aliar a alta da produtividade a sustentabilidade, um dos principais pilares do Grupo Guimarães.

Outros benefícios notados

A alta na produtividade é uma vantagem do investimento em soluções inovadoras e sustentáveis, mas ela não vem sozinha: economia, melhora na qualidade, assertividade na tomada de decisões e, claro, contribuir com o meio ambiente são benefícios destacados pelas produtoras. Simoni, por exemplo, ao conseguir investir em placas fotovoltaicas, pode alimentar sua casa, dois aviários e a casa de sua mãe a um custo mínimo mensal.

"Esta substituição, além de reduzir poluição e gases do efeito estufa, fará com que, em 5 anos, o investimento se pague sozinho e eu conseguirei tocar toda a minha propriedade a custo praticamente zero", conta a produtora. Antes do investimento, Simoni tinha um gasto mensal de R﹩ 1.100 com a energia elétrica. Após apostar na energia solar, este valor diminuiu quase que 100%, caindo para uma média de R﹩ 100.

O investimento em tecnologia também trouxe bons resultados para as agricultoras. Kamila, como administra diferentes atividades, sentiu a necessidade de uma gestão mais integrada. Ao aderir a um software de gestão, ela conseguiu ver todas as atividades em tempo real e enxergar de uma maneira mais clara e objetiva o custo e lucro de cada uma.

"Investir em transformação digital foi um ponto importante no processo de adoção de boas práticas. Antes, tudo era muito manual e fazíamos uso de uma planilha de Excel. Ao apostar na tecnologia para gerir todos os meus negócios, eu consigo, por exemplo, ter uma melhor previsibilidade de possíveis problemas e pensar em uma solução com antecedência", relata a produtora.

Prêmio Mulheres do Agro

Tanto Simoni quanto Kamila foram vencedoras do Prêmio Mulheres do Agro 2020, nas categorias média e pequena propriedade, respectivamente. "Obter este reconhecimento do prêmio me fez ver que eu estou na direção certa e trouxe um gás a mais para que eu continue inovando em minha propriedade", declara Kamila.

Como dica para as interessadas em se inscreverem, Simoni diz que um dos principais pontos é não ter pressa para finalizar o formulário. "Dá para entrar, preencher e sair a hora que quiser, tendo a possibilidade de continuar depois. É importante se inscrever, independente de ganhar ou não, porque quando escrevemos nossa história no papel, acaba se tornando um autorreconhecimento e nos permite olhar para a nossa própria trajetória", finaliza a produtora.

As inscrições para a edição deste ano encerram no dia 20 de agosto e a premiação ocorrerá em outubro, durante o 6º Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio.

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura