NOTÍCIAS

Basf alerta para a perda de produtividade causada pela competição de plantas daninhas

  • 21/05/2018 |
  • Manoela Machado

Um dos principais fatores que impactam a produtividade dos grãos no Brasil é o controle inadequado das plantas daninhas. As invasoras são prejudiciais ao desenvolvimento das culturas, pois competem por água, luz, nutrientes e espaço. Além disso, podem reduzir a qualidade dos grãos, provocar uma maturação desuniforme, dificultar o processo de colheita e servirem de hospedeiras para pragas e doenças.

O produtor brasileiro tem grande dificuldade no controle de algumas plantas daninhas, principalmente a buva e o capim-amargoso, mas também não pode descuidar de outras infestantes como pé-de-galinha, trapoeraba, azevém e erva-quente.

Mauro Rizzardi, professor da Universidade de Passo Fundo alerta que as perdas provocadas pela incidência de plantas daninhas podem causar reduções que variam conforme a intensidade, época de ocorrência e espécie da planta daninha. “A Buva, por exemplo, pode reduzir a produtividade em até 12%. Uma quantidade significativa para o produtor”, comenta.

É importante que os produtores pensem no sistema de produção e utilizem todas as ferramentas que envolvam boas práticas agrícolas durante o ano todo. Dessa forma, terão um manejo eficiente de plantas daninhas sem perder produtividade e qualidade.

Principais métodos de controle:

Manejo químico: O uso de herbicida é uma importante ferramenta de controle. Para um manejo mais eficiente o produtor rural deve utilizar diferentes mecanismos de ação associados a outras práticas culturais que favoreçam o desenvolvimento e o potencial produtivo das culturas.

Qualidade de aplicação: para ter um controle mais efetivo é importante que o agricultor utilize equipamentos que permitam que o produto utilizado atinja o alvo de forma assertiva. Certifique-se que as pontas dos pulverizadores estão em bom estado e que são as mais indicadas para aquela situação, respeite as dosagens e a taxa de aplicação adequada para cada estágio da cultura.

Condições climáticas: as plantas daninhas são influenciadas diretamente por fatores climáticos. Por exemplo, invernos mais úmidos e menos rigorosos são mais favoráveis para o aumento da população das plantas daninhas anuais de inverno.

Rotação de culturas: a rotação de culturas contribui para que algumas plantas daninhas não se tornem resistentes a um determinado herbicida. O ponto chave do manejo de plantas daninhas em rotação de culturas é a semeadura direta sobre a palhada da cultura anterior.

Cobertura morta sobre o solo: o uso de cobertura morta bem como a palhada ajuda a reduzir a germinação de plantas daninhas que necessitam de radiação solar direta para se desenvolverem.

“Em soja, principal cultivo brasileiro, as perdas de produtividade com a incidência de plantas daninhas podem superar 80%, principalmente quando ocorrem desde o estádio inicial de desenvolvimento da cultura. A Basf oferece o herbicida Heat. A solução é eficiente no manejo da buva e plantas daninhas de folhas largas de difícil controle, que causam prejuízos ao produtor rural”, destaca Sérgio Zambon, gerente sênior de Desenvolvimento de Mercado da Basf.   

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura