NOTÍCIAS

Bayer anuncia cumprimento das condições para iniciar a integração da Monsanto

A integração da Monsanto no Grupo Bayer pode começar após a conclusão, nesta quinta-feira (16/08) da venda da Bayer para a Basf de negócios da específicos da Crop Science, com um volume total de vendas de cerca de 2,2 bilhões de euros. A Bayer já se tornou a única proprietária da Monsanto Company em 7 de junho de 2018 e agora ganha capacidade de adotar medidas legais para defender produtos como glifosato e dicamba.

Um dos requisitos do Departamento de Justiça dos EUA era de que a Bayer e a Monsanto permanecessem empresas separadas e continuassem a operar desta forma até a conclusão desses desinvestimentos para a BASF, o que já ocorreu.

A aquisição da Monsanto dá origem a uma empresa agrícola líder com um alto nível de força inovadora, um forte portfólio de produtos e os mais altos padrões éticos. Como comunicado anteriormente, a Bayer espera que a aquisição seja uma contribuição positiva para o lucro básico por ação a partir de 2019, com uma porcentagem de dois dígitos a partir de 2021. A partir de 2022, contribuições anuais de 1,2 bilhão de dólares para o EBITDA antes de itens especiais são planejadas a partir de sinergias. Além disso, a Bayer reforçará ainda mais seu compromisso com a sustentabilidade.

Com relação ao veredito do glifosato na Califórnia, em 10 de agosto de 2018, a Bayer acredita que a decisão do júri está em desacordo com o peso da evidência científica, décadas de experiência no mundo real e as conclusões de reguladores em todo o mundo que confirmam que o glifosato é seguro e não causa linfoma. Os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) recentemente reafirmaram que o glifosato não causa câncer. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA), a Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA) e outros reguladores em todo o mundo também concluíram que o glifosato pode ser usado com segurança.

O veredicto do júri é apenas o primeiro passo neste caso, que continua sujeito a moções pós-julgamento no tribunal de primeira instância e a um recurso, conforme anunciado pela Monsanto. À medida que esse caso prossegue, a Bayer acredita que os tribunais acabarão descobrindo que a Monsanto e o glifosato não eram responsáveis pela doença de Johnson.

Devido aos requisitos supracitados impostos pelo Departamento de Justiça dos EUA, a Bayer não teve acesso a informações internas detalhadas na Monsanto. Sob essas condições, a Bayer não tinha permissão para influenciar assuntos relacionados aos negócios da Monsanto, e sua capacidade de comentar ativamente sobre eles em detalhes era extremamente limitada. Hoje, no entanto, a Bayer também ganha a capacidade de se envolver ativamente nos esforços de defesa nos testes com o glifosato e em quaisquer outras disputas legais, como potenciais reclamações por danos relacionados ao produto Dicamba.

O comunicado da Bayer em inglês aqui.

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura