NOTÍCIAS

Certificação de adjuvantes é fundamental para o agronegócio

Pesquisador científico Hamilton Ramos, no laboratório avançado do programa IAC-Quepia, instalado na cidade de Jundiaí (SP).

Após uma grande cooperativa passar a exigir de fornecedores laudos de funcionalidade para adjuvantes agrícolas, aumentaram as consultas formais ao programa ‘Adjuvantes da Pulverização’, sediado em Jundiaí (SP). A informação é do coordenador da iniciativa, o pesquisador científico Hamilton Ramos. Para ele, o conhecimento específico sobre a funcionalidade desses produtos pode resultar na eficácia ou no insucesso de tratamentos de lavouras contra pragas, doenças e plantas invasoras.

Conforme Ramos, o programa Adjuvantes da Pulverização começa no mês que vem a empreender análises técnicas e de qualidade, para certificar a funcionalidade de adjuvantes agrícolas comercializados no Brasil. A iniciativa, destaca ele, resulta de uma parceria entre o setor privado e o Centro de Engenharia e Automação (CEA), do Instituto Agronômico (IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Segundo o pesquisador, toda a infraestrutura do programa, ancorada em laboratório avançado e na experiência de profissionais especializados, está concentrada no CEA-Jundiaí. “Além de estudos sobre a funcionalidade, o laboratório está apto a auxiliar empresas a desenvolver formulações ou redefinir posicionamentos para formulações existentes”, diz Ramos.

Investimento do produtor

Ramos explica que adjuvantes agrícolas constituem produtos adicionados à calda de agroquímicos no momento da aplicação a campo. “Adjuvantes apresentam efeitos do tipo espalhante, umectante ou penetrante, por exemplo. Um produto do gênero mal formulado, altera características e propriedades de um agroquímico. Interfere na deriva, no espalhamento, tamanho de gotas e pode pôr a perder o alto investimento do agricultor no controle de doenças, pragas e plantas daninhas.”

“Já os adjuvantes agrícolas adequados, produzidos com especificações precisas, são fundamentais ao êxito da agricultura. Eles potencializam a eficácia dos agroquímicos, contribuem na transferência de produtividade e rentabilidade à colheita.  A questão central está na seleção dos produtos que de fato entregam as funcionalidades descritas em rótulos”, continua Ramos.

Ainda conforme o pesquisador, adjuvantes agrícolas vendidos no Brasil não contam com registro oficial expedido por órgãos reguladores, como ocorre com os agroquímicos. “Vem daí a necessidade de o próprio mercado de adjuvantes encontrar mecanismos de autorregulação e agregados de credibilidade. Esta visão estimulará a adesão do campo a produtos cuja qualidade e funcionalidade sejam comprovadas e certificadas. Ganhará o fabricante, ganhará o agricultor, ganhará o agronegócio”, finaliza Hamilton Ramos.

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura