NOTÍCIAS

Embrapa apresenta tecnologias sustentáveis no Show Rural Coopavel 2018

As armadilhas com feromônios são espalhadas nas lavouras para monitorar e controlar as populações de pragas. - Foto: Raul Laumann

Duas tecnologias com grande potencial de aceitação pelo mercado de produtos sustentáveis, que cresce na contramão da crise econômica no Brasil, estarão entre as atrações da Embrapa no Show Rural Coopavel 2018, que acontece de 5 a 9 de fevereiro, em Cascavel, PR. A primeira é a tecnologia JunCao, adaptada da China para o Brasil, capaz de baratear e tornar mais saudável o cultivo de cogumelos por utilizar gramíneas ao invés de troncos de madeira e serragem. A segunda se baseia na utilização de feromônios em armadilhas para controlar biologicamente percevejos-praga do arroz e da soja nas lavouras brasileiras.

Feromônios para controle de percevejos-praga da soja e do arroz

A outra tecnologia que estará à mostra no estande da Embrapa no Show Rural Coopavel 2018 é a que usa feromônios (substâncias que os insetos utilizam para se comunicar com outros da mesma espécie) para monitorar e controlar percevejos-praga nas diferentes lavouras. Trata-se de um método racional e seguro, com grande potencial de utilização em programas de manejo integrado de pragas porque pode reduzir significativamente e, até mesmo, eliminar a utilização de defensivos químicos nas lavouras. Os inseticidas além de ineficientes para controlar os percevejos, causam resistência nos insetos, são nocivos a quem os aplica, eliminam insetos benéficos, como as abelhas e inimigos naturais, e, no caso do arroz irrigado pode contaminar a água de rios e mananciais.

A “chave” para chegar até a esta tecnologia estava na própria natureza. Os cientistas observaram que os insetos utilizam substâncias químicas para “avisar” aos outros sobre demarcação de território, alimentação, risco de predadores, reprodução, entre outros. Quando essa comunicação ocorre dentro da mesma espécie, o composto químico é chamado de feromônio. É como a linguagem humana, só que com feromônios no lugar das palavras.

De posse desse conhecimento, a equipe da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia liderada pelo pesquisador Miguel Borges começou a extrair feromônios em laboratório para depois colocá-los em armadilhas a serem distribuídas nas lavouras. “No caso dos percevejos, trabalhamos principalmente, com os feromônios sexuais produzidos pelos machos”, conta o cientista.

Após a identificação, o feromônio natural produzido pelo inseto é sintetizado em laboratório e formulado em pequenos dispositivos (pastilhas), que são impregnados pelo feromônio. Por fim, são colocados em armadilhas no campo para a captura e monitoramento das fêmeas.

As armadilhas com os feromônios são distribuídas nas lavouras com o objetivo de enganar os insetos. Ao identificar o cheiro dos machos, as fêmeas são atraídas e capturadas na armadilha. O intuito final é monitorar e controlar as populações dos percevejos-praga e, consequentemente, reduzir os danos às plantações de forma efetiva e sustentável.      

Patentes

A Embrapa recebeu duas patentes pelo desenvolvimento da tecnologia de utilização de feromônios para controle de percevejos-praga. A primeira, em 2013, foi voltada ao complexo de percevejos da soja, e em 2016, ao percevejo-do-colmo do arroz.


ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura