NOTÍCIAS

Região de Matão (SP) tem redução de greening pelo terceiro ano consecutivo

Manejos interno e externo são essenciais para bons resultados no Centro do cinturão citrícola, marcado pelo primeiro foco da doença no Brasil e pelas condições climáticas favoráveis para sua disseminação. - Foto: CNA

A região de Matão (SP), uma das mais importantes produtoras de laranja do estado e que engloba cidades como Matão, Araraquara e Boa Esperança do Sul, tem obtido bons resultados no controle do greening, considerada a pior doença da citricultura na atualidade: de acordo com o levantamento anual feito pelo Fundecitrus, a região teve redução da incidência da doença pelo terceiro ano consecutivo. Nela, o greening está presente em 14,47% das laranjeiras, uma diminuição de 16,3% em relação a 2019. A incidência também é menor do que a média de 20,87% observada em todo o cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro.

No Centro do parque citrícola, Matão já foi considerada uma região crítica: além de ter sido o local de identificação do primeiro foco da doença no Brasil, em 2004, apresenta condições climáticas bastante favoráveis para disseminação da doença praticamente o ano inteiro.

Essa diminuição progressiva do greening deve-se ao manejo interno rigoroso, feito dentro das fazendas, que inclui o monitoramento do inseto transmissor (psilídeo) e também a eliminação de plantas doentes, associado à adoção do manejo externo, realizado pelos citricultores nos arredores das propriedades. A região apresentou a mais elevada taxa de participação nas ações de manejo externo feitas em parceria com o Fundecitrus, 77,4% da área comercial de citros.

Segundo o engenheiro agrônomo do Fundecitrus Marcelo Scapin, em Matão foi formado um dos primeiros grupos de citricultores para o manejo regional do greening, no qual foram difundidas e colocadas em prática todas as medidas de controle da doença, incluindo a necessidade da ação do lado de fora das porteiras.

“Sem dúvida, esse pioneirismo na formação de grupos aliado ao controle rigoroso dentro e fora das propriedades contribui muito para que a doença siga em queda a cada ano na região de Matão”, aponta Scapin.

O manejo externo se caracteriza pela substituição de plantas de citros sem controle e de murtas localizadas nas proximidades de pomares comerciais por outras espécies frutíferas e ornamentais, não atrativas ao psilídeo – o inseto utiliza as plantas atrativas em quintais e calçadas para se alimentar e se reproduzir e depois migra para os pomares, dificultando o controle.

Grupos para o manejo externo

Desde 2018, o Fundecitrus tem investido no suporte aos citricultores para a realização do manejo externo e viabilizado a criação de grupos de trabalho conjunto – hoje são 31 grupos atuando no cinturão citrícola, sendo oito na região de Matão, onde praticamente todas as fazendas que realizam o controle externo fazem parte de grupos. Os grupos permitem divisão de custos, maior disponibilidade de profissionais e a possibilidade de ampliar a área de atuação.

De acordo com o engenheiro agrônomo do Fundecitrus Ivaldo Sala, coordenador das ações de manejo externo da instituição, a união dos citricultores é decisiva na luta contra a doença. “Trata-se de somar forças. Sem a mobilização regional para o controle conjunto, é muito difícil diminuir ou estabilizar a incidência da doença, mas a região de Matão tem conseguido e é um caso de sucesso graças à adesão dos citricultores”, afirma.

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura