NOTÍCIAS

Vantagens do uso de adjuvantes na calda de pulverização

Dentro da agricultura, a pulverização de defensivos realizada sem critérios técnicos é a atividade que leva o agricultor a ter os maiores prejuízos e, frequentemente, a necessidade de retrabalho por uma operação mal realizada. Na cultura da cana-de-açúcar, um erro na aplicação de herbicida pré-emergente faz com que atividades posteriores de aplicação em pós ou catação sejam necessárias, elevando o custo final da lavoura.

Os polímeros ou adjuvantes são substâncias que modificam a estrutura físico-química da água, utilizada para a diluição dos herbicidas em processo de aplicação. A água, por ter uma estrutura molecular ligada por pontes de hidrogênio, pode nos trazer dificuldades a partir da mistura dos produtos, pois estas ligações dificultam a entrada das partículas ou moléculas dos herbicidas, exigindo uma agitação constante para isso.

Os adjuvantes, como o Tensor Max, do Grupo Fertiláqua, têm essa capacidade de afastar as moléculas de água, facilitando a agitação, pois dá características de fluidez na mesma, melhorando duas características fundamentais na mistura de produtos: a Emulsificação e a Dispersão de moléculas e partículas dos herbicidas, melhorando a homogeneidade da mistura.

Além disso, é comum em alguns princípios ativos, a ocorrência de espuma na calda, o que dificulta a questão operacional, pois ocorre transbordamento de tanque e perda de princípio ativo. “Um bom adjuvante como o Tensor Max tem características Antiespumantes”, explica Paulo Rosa, Consultor da Fertiláqua.

 Além disso, a Umectação, Adesão e Espalhamento das gotas em cima da superfície vegetal devem ser observados, pois a cutícula das folhas das plantas por ser de natureza gordurosa ou lipídica, tem dificuldade de ter contato com a água em estado natural e com o herbicida, o que um bom polímero como o Tensor Max com essas características nos proporciona.

Como última e talvez principal característica, o produto corrige um erro de todas as pontas de pulverização: o atrito da água com a cerâmica da ponta, que faz com que gotas muito finas, próximas do estado de vapor da água, sejam produzidas, o que pode nos levar a perdas frequentes e normais de até 20% da nossa calda. “Por dar elasticidade na ligação entre as moléculas de água e reduzir esse atrito, ele Padroniza Gotas, e perdas por evaporação são diminuídas, observando-se um aumento de deposição na superfície aplicada”, esclarece o consultor.

ver mais notícias
CADASTRO DE NEWS
  • Receba por e-mail as últimas notícias sobre agricultura