Helicoverpa armigera: Distante do fim novembro 2016 | Ano XVII | N 210

Passados quase quatro anos desde a identificação oficial da lagarta Helicoverpa armigera no Brasil, o desafio representado por esta praga segue muito longe de solução definitiva. Experiências negativas em outros países e o registro recente de casos não esporádicos do inseto em campos de soja, especialmente cultivos não Bt, áreas de pousio e soqueiras de algodão, principalmente em Mato Grosso, bem como relatos de ataques em outros estados como Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais, dão o tom da dimensão do problema. É preciso redobrar os esforços conjuntos, para que erros cometidos no passado com outras pragas, como a mosca branca, não se repitam no país

Em qual formato você deseja ler nossas revistas?

Edições Anteriores
  • N 210

    novembro 2016

    Helicoverpa armigera: Distante do fim

  • N 209

    outubro 2016

    Capim amargoso - Touceiras de prejuízo

  • N 208

    setembro 2016

    Mudança de sensibilidade - Ferrugem asiática

  • N 207

    agosto 2016

    Especial Daninhas

  • N 206

    julho 2016

    Luta árdua contra o Amaranthus palmeri

  • N 205

    junho 2016

    Lagarta-do-cartucho: Ataque implacável

  • N 204

    maio 2016

    Percevejos: Batalha contínua

  • N 203

    abril 2016

    Spodoptera Albula - Inimigo à espreita

  • N 202

    março 2016

    Sustentabilidade pressionada

  • N 201

    fevereiro 2016

    Programa de Aplicações

  • N 200

    janeiro 2016

    Edição Especial 2015

  • N 199

    dezembro 2015

    Exército aéreo

  • N 198

    novembro 2015

    Especial Ferrugem da Soja

  • N 197

    outubro 2015

    Presença inquietante

  • N 196

    setembro 2015

    Desde o início